Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um conjunto de caixões, máscaras funerárias e um templo funerário foram encontrados num esconderijo de túmulos antigos em Saqqara, a cerca de 32 quilómetros do sul do Cairo. Os especialistas consideram que esta descoberta vai “reescrever a história da região”, anuncia o portal Ahram.

No sábado, uma expedição levado a cabo no sítio arqueológico de Saqquara encontrou centenas de túmulos que continham centenas de caixões de madeira. Entre as descobertas, a mais importante terá sido a do templo da Rainha Nearit, mulher do Rei Teti, o primeiro Rei da sexta dinastia egípcia. Junto ao templo estavam três depósitos de tijolo de barro, construídos para colocar as oferendas na tumba da rainha.

A descoberta torna-se ainda mais importante por ser a primeira vez que foram achados caixões com mais de 3000 anos na região de Saqaara. Segundo os arqueólogos, os túmulos pertencem ao período do Império Novo (de 1.550 a.C. a 1.069 a.C.) e tinham inscritos alguns excertos do Livro dos Mortos que, segundo a mitologia egípcia, ajudava os mortos a passar para o outro mundo. Com esta descoberta, os historiadores chegaram à conclusão de que a região de Saquaara servia como lugar de enterro muito antes do que se sabia até então.

A expedição arqueológica também conseguiu achar 50 caixões de madeira, em bom estado, juntamente a um santuário construído em honra ao deus Anúbis (Deus da morte). Nas expedição também foram encontrados máscaras de madeira e variados artefactos.

As descobertas vão assim permitir conhecer melhor a história da região.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR