Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os diretores de agrupamentos e escolas públicas portugueses estimam que, esta quinta-feira, existam menos 20 a 25% de alunos nas aulas, refere o jornal Público. A situação é muito semelhante à vivida em março, em vésperas do primeiro confinamento.

Segundo disse Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (Andaep), ao Público, o número de alunos presentes tem vindo gradualmente a descer, à medida que se multiplicam os pedidos de encerramento das escolas face ao agravamento da situação pandémica no país. Os últimos dias “têm feito lembrar a semana de 9 de março”, comparou.

A decisão de faltar às aulas tem sido tomada pelos pais, tendo em conta as notícias que falam no encerramento do estabelecimentos já a partir desta sexta-feira. Jorge Ascenção, presidente da Confederação Nacional de Associações de Pais (Confap), disse ter conhecimento “de algumas famílias que entendem que já não faz sentido levar filhos às aulas”.

Segundo estes e outros responsáveis, os professores estão a usar o dia para preparar a transição para o ensino à distância.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR