Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Durante os períodos de confinamento, há cidadãos que inventam todos os argumentos e mais alguns para evitar ficar em casa, mesmo sendo isso obrigatório para controlar a pandemia. Dos que passeiam o cão, dezenas de vezes por dia, aos que até vão esticar as pernas com o cão do vizinho, passando pelos que, por não terem canídeo, levam apenas a trela a passear, há de tudo. E não se pense que este excesso de criatividade é exclusivo dos portugueses, uma vez que a medalha de ouro nestas olimpíadas das mentiras à polícia para evitar multas deverá ser atribuída a um cidadão britânico.

O inglês em causa que, devido ao lockdown decretado pelo Governo britânico, não devia sair da sua casa em Bedworth, foi mandado parar pela polícia em Kenilworth, a 23 km de distância. Quando questionado pelo agente sobre os motivos que o levaram a não respeitar o confinamento, a resposta deixou o polícia sem palavras: a justificação do britânico era que estava a jogar Pokemon Go e perseguia um nas proximidades.

Seja por não ser fã do pokemon ou por fazer questão de impor a lei, como é o seu dever, o polícia inglês “premiou” a esfarrapada desculpa do condutor com uma multa de 200 libras, aproximadamente 224€. Alegou o agente da autoridade que “o condutor se ausentou de casa sem um motivo válido”, de acordo com a BBC.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR