Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O confinamento em Inglaterra parece não estar a ser suficiente para fazer baixar o número de novas infeções, noticia o jornal The Guardian. A média de sete dias registada esta quarta-feira era superior a 38 mil casos diários.

Os investigadores do Imperial College de Londres realizaram 142 mil testes entre 6 e 15 de janeiro e verificaram que depois de uma ligeira descida nos casos, o número de novas infeções estabilizou ou até aumentou ligeiramente.

Os investigadores verificaram que a mobilidade diminuiu no Natal, mas voltou a aumentar após a passagem de ano e o número de casos (no gráfico) terá acompanhado a mesma tendência — JHU CSSE COVID-19 Data

Paul Elliott, professor de Epidemiologia e Saúde Pública no Imperial College, considera que os dados recolhidos pela equipa mostram um quadro mais realista do que os números reportados diariamente, porque testam pessoas com regularidade e não apenas depois de apresentarem sintomas como acontece com os dados oficiais.

Inglaterra regista quase todos os casos e a larga maioria das mortes do Reino Unido — Wikipedia, JHU CSSE COVID-19 Data

Os investigadores também registaram que as taxas de infeção são mais altas entre os 18 e os 24 anos (2,51%), mas mais do que duplicou entre o grupo etário mais vulnerável (0,94%), acima dos 65 anos.

As mortes também têm mostrado uma tendência crescente na média a sete dias — JHU CSSE COVID-19 Data