O Hospital de Santo António, no Porto, regista esta sexta-feira taxas de ocupação Covid-19 entre os 80% e os 85%, revelou o diretor clínico, garantindo que tem sido praticada uma medicina “muito longe do que se chama medicina de catástrofe”.

É uma medicina em esforço. Há pessoas a trabalhar muito e muitas horas com muito sacrifício, mas cumprindo os padrões de uma medicina normal. Estamos a fazer uma medicina que consideramos muito longe do que se chama medicina de catástrofe”, disse o diretor clínico do Centro Hospitalar e Universitário do Porto (CHUP), onde se inclui o Hospital de Santo António, José Barros.

Atualmente estão internados neste hospital do Porto, em enfermaria, 119 doentes com o novo coronavírus e 38 em cuidados intensivos.

À Lusa, José Barros disse que estes números correspondem a uma taxa de ocupação de 84% em enfermaria, onde restam 23 vagas, e de 82% em cuidados intensivos (oito vagas).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Provavelmente desde o início da pandemia somos o hospital que internou mais doentes Covid-19 em Portugal, mas estamos desde outubro/novembro com dados estabilizados, com um ligeiro aumento em janeiro, mas nada assustador”, disse.

O diretor clínico descreveu que o CHUP “tem ajustado a oferta à procura”, e “sempre que sente a procura a apertar, ajusta o número de camas”, mantendo “normalmente uma folga de 10 a 15%”.

Temos recebido alguns [doentes] de Lisboa e Vale do Tejo. Mas, não estamos livres que, de um momento para o outro, tudo isto mude porque a pandemia é absolutamente caprichosa. Esta manhã passei pelo Serviço de Urgência e até parecia um pouco estranho: nenhum doente à espera para ser triado e nenhuma ambulância. Não posso excluir que amanhã de manhã tenho uma fila de ambulâncias à porta”, descreveu.

José Barros desmistificou a ideia de que o Serviço Nacional de Saúde só trata Covid-19: “Temos 820 camas abertas e, dessas, 200 estão dedicadas à Covid-19. Portanto, há pelo menos 620 para outras patologias”.

Quanto à produção atual, e comparando as primeiras três semanas de janeiro deste ano com o período homólogo de 2020, quando Portugal ainda não enfrentava a pandemia, José Barros admitiu uma quebra de atendimentos de 30% no Serviço de Urgência, de 20% em primeiras consultas e de 6% nas cirurgias, uma vez que foram operados até agora 2.297 doentes, face a 2.443 no ano passado.

Os 30% [no Serviço de Urgência] são significativos, mas cremos que correspondem a muitas pessoas que iam de modo mais ou menos fútil à urgência. Quanto às primeiras consultas, os 20% acontecem tanto porque muitos profissionais estão a sacrificar o trabalho na consulta para trabalhar a tempo inteiro nas unidades Covid-19, mas também devido a pedidos de adiamento”, descreveu.

Quanto às segundas consultas, o diretor clínico apontou que os valores estão “em linha com os do ano passado”, embora “muitas sejam feitas por videoconferência ou telemóvel e não presenciais”.

Consideramos que a quebra de 6% [na atividade cirúrgica] não é relevante. Para já, não [houve necessidade de reduzir muito a atividade programada] e não vamos parar a atividade cirúrgica só porque sim. Mas não teremos nenhuma hesitação em o fazer quando isso for essencial“, frisou.

José Barros elogiou a decisão por um novo confinamento geral, algo que nesta altura parece “óbvio”, mas que “há três semanas nem tanto”, considerando que “a evolução e a propagação parece ter muito mais de intrínseco e biológico do que de comportamento político e humano”.

Não conseguimos dominar completamente a pandemia com medidas comportamentais e políticas. Mas se conseguirmos interferir em 20% da evolução do vírus já nos dá uma folga. Temos de investir nessas medidas e neste momento o confinamento é a melhor arma que temos”, concluiu.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.092.736 mortos resultantes de mais de 97,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, enquanto em Portugal morreram 9.920 pessoas dos 609.136 casos de infeção confirmados.