440kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

"Meus amigos, habituem-se: não nos vamos calar". Ventura despede-se da campanha com avisos para dentro e para fora

Este artigo tem mais de 1 ano

O líder e candidato do Chega despediu-se da campanha a prometer forçar Marcelo Rebelo de Sousa a uma segunda volta. Mas também falou do futuro: do seu, do do partido e de PSD e CDS.

i

JOÃO PEDRO MORAIS/OBSERVADOR

JOÃO PEDRO MORAIS/OBSERVADOR

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi um discurso de final de campanha com várias camadas o de André Ventura. O líder e candidato do Chega voltou a prometer uma segunda volta, embora nenhuma sondagem aponte nesse sentido, regojizou-se com o facto de poder vir a ter mais votos que Marisa Matias e João Ferreira (quando o seu objetivo inicial foi sempre ter mais votos que Ana Gomes), apontou para um futuro em que acredita que vai liderar a direita e deixou um recado para dentro do partido: “Mesmo depois de domingo continuarei a lutar, seja qual for a vontade dos militantes do Chega. Seja qual for o veredicto, já demos um grande passo para essa transformação.”

Esta última ideia tem uma razão de ser. Ventura partiu para esta campanha prometendo ficar em segundo lugar, à frente de Ana Gomes. Caso contrário, repetiu várias vez, demitir-se-ia da liderança do Chega, mesmo que viesse a recandidatar-se. O elevar das expectativas tem um peso óbvio: se falhar nos seus objetivos — como parecem indiciar todos os estudos de opinião nos últimos dias –, terá de estar à altura das suas palavras. E testar a sua resistência dentro de um partido que vive de convulsões.

Ventura, no entanto, vai apontando já para o futuro. Tal como fez em vários dias desta campanha, como aqui e aqui, o líder do Chega aproveito o discurso final para apontar ao coração de PSD e CDS. “Acabou o tempo de sermos fofinhos. Vejam o que aconteceu ao PSD e ao CDS, a destruir-se passo a passo quando só o Chega cresce em Portugal”, atirou.

O líder do Chega luta nestas eleições por um resultado que o capitalize e ao partido como a terceira força política do país. Daí que tenha colocado especial ênfase no ataque aos candidatos do Bloco de Esquerda e do PCP. “No domingo, ninguém falará de outra coisa que não a nossa grande e retumbante vitória. Marisa Matias e João Ferreira juntos não chegarão à minha votação no domingo.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

JOÃO PEDRO MORAIS/OBSERVADOR

Marcelo, uma “vergonha” de Presidente e a colagem a António Costa

Sabendo que tem de crescer à direita para engrossar o eleitorado potencial, Ventura não esqueceu a estratégia que colocou em prática sobretudo na segunda metade da campanha eleitoral e atacou Marcelo Rebelo de Sousa colando-o a António Costa.

Merecíamos outro presidente que não se escudasse atrás do Governo. Agora evita andar na rua para ouvir o que os portugueses têm para lhe dizer. Refugia-se e esconde-se. Se é cúmplice deste Governo deverá cair quando este Governo cair.”

A esse propósito, Ventura não esqueceu o incidente em Setúbal — voltaria a dizer que “nenhuma bala ou faca” o vai travar — e criticou Marcelo por não ter condenado o episódio. “Até à hora em que estamos, Marcelo não me telefonou. Ligou para programas de TV, ligou para toda a gente, mas quando um adversário político é ofendido, apedrejado, não conseguiu ter uma palavra de condenação . Está a dizer que se algo de grave tivesse acontecido não era assim tão mau”, acusou Ventura.

De Marcelo, Ventura passou para Costa e antecipou uma saída de cena pela porta pequena para o socialista. “Digam-me uma crise que tenha sido superada pelos socialistas. Mário Soares esteve lá, António Guterres esteve lá, o ‘engenheiro’ esteve lá e agora é António Costa. Cobardes.”

E como o plano do líder do Chega sempre foi apresentar-se como a única força capaz de derrotar o sistema, Ventura começou o discurso como acabou. Prólogo: “Meus amigos, habituem-se, nunca nos vamos calar”. Epílogo: “No domingo, só vai haver um vendaval que é o nosso em Portugal”. Domingo os eleitores ditarão se as convicções de Ventura têm ou não razão de ser.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.