Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os fabricantes de automóveis estão a realizar um esforço tremendo, investindo fortemente em mecânicas híbridas e outras 100% eléctricas, como forma de reduzir as emissões de dióxido de carbono que, não sendo um poluente, contribui para as alterações climáticas. Mas a indústria naval e a aeronáutica também estão a acompanhar o esforço dos seus colegas de quatro rodas, como o prova o facto de a Boeing ter anunciado que, a partir de 2030, todos os motores dos seus aviões consumirão biocombustível, gerado a partir de biomassa.

Os aviões comerciais representam cerca de 12% da massa total de carbono emitida pelos diferentes meios de transporte, segundo o Air Transport Action Group, o que corresponde a 2% do total de carbono lançado para a atmosfera, contando já com as necessidades da indústria, mas igualmente da produção de energia eléctrica e aquecimento. A International Air Transport Association impôs à indústria aeronáutica uma redução de 50% nos valores de carbono em 2050, face ao que era a média 45 anos antes, o que representa um corte brutal, mas necessário.

O biocombustível, produzido a partir de plantas e restos alimentares, produz carbono quando é queimado, mas não mais do que as mesmas plantas e arbustos absorveram ao longo do seu ciclo de vida, o que lhe permite ser considerado sustentável. Não sendo a solução ideal, parece ser esta a melhor forma, de momento, para evitar lançar carbono “novo” para a atmosfera. Fundamental quando, segundo a Boeing, um 747 queima cerca de 10 toneladas de combustível por hora.

Para que os motores de avião possam queimar biocombustíveis é necessário proceder a algumas alterações mecânicas, papel que fica para fornecedores como a Rolls-Royce, Pratt & Whitney e a General Electrics. Contudo, há muito que se realizam trabalhos de desenvolvimento nesta área, uma vez que já em 2018 um aparelho comercial da Boeing voou pela primeira vez usando exclusivamente este tipo de combustível sustentável. O 777 ao serviço da FedEx ligou Seattle a Memphis, ida e volta, como pode ver em baixo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR