O navio Ocean Viking, da organização SOS Méditerranée, salvou 374 migrantes no Mediterrâneo nos últimos três dias, incluindo 106 resgatados entre a noite de sexta-feira e a madrugada dese sábado, que estavam intoxicados pela fumaça do barco em que viajavam.

O navio humanitário avistou na noite de sexta-feira um barco inflável em perigo e sobrelotado de pessoas. Duas das pessoas que viajavam nele caíram à água, embora tenham sido imediatamente salvas pela equipa da ONG.

Finalmente 106 imigrantes foram salvos em águas internacionais, a cerca de 45 quilómetros da costa da Líbia, de onde a maioria dos migrantes partiu para Itália pela rota do Mediterrâneo Central, uma das mais perigosas do mundo.

A maioria dos resgatados na madrugada deste sábado sofreu um forte envenenamento com a fumaça do combustível do barco em que viajavam.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta é a terceira operação do navio humanitário nos últimos três dias e, no momento, está a acolher um total de 374 pessoas salvas no mar.

Na sexta-feira, o navio resgatou 149 migrantes que viajavam em dois botes infláveis “em perigo”, entre os quais 44 mulheres e 118 menores, explicaram fontes da ONG à

O barco já abrigava 119 imigrantes salvos em uma operação na quinta-feira, incluindo 10 mulheres adultas e 59 menores.

A maioria dos resgatados são originários da Guiné, Mali, Camarões e Costa do Marfim e, ao chegar a bordo, estavam exaustos e molhados. Eles receberam imediatamente roupas secas, água e comida.

O navio Ocean Viking estava no Mediterrâneo central há cerca de dez dias, depois de passar quase meio ano paralisado na Itália devido a irregularidades encontradas pelas autoridades que alegadamente comprometiam a sua segurança. A organização suspeita que foi uma forma de interromper seus esforços de resgate.

O navio chegou a Marselha, França, em 27 de dezembro, onde a tripulação ficou dez dias em quarentena para evitar qualquer caso do novo coronavírus no início da missão e largou as amarras em 11 de janeiro para retornar ao mar para salvar vidas.