Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Passados quase trinta anos, “Fishing With John”, a série de seis episódios, onde John Lurie levava amigos – Tom Waits, Dennis Hopper ou Jim Jarmusch – a pescar, pode ser vista como uma percussora de “Comedians in Cars Getting Coffee” ou até “Dinner for Five”. A grande diferença é que em 1991, John Lurie não estava preocupado em fazer amigos com o seu programa: só queria fazer um programa de pesca com os amigos que já tinha.

Um retrato de outro tempo, de outra cultura do tecido das artes. “Fishing With John” também não é bem um programa de pesca. Porque John Lurie – percebe-se rapidamente – não sabe muito disso. Mas fê-lo na mesma, com a despreocupação e coolness reais e com um narrador – na intensa voz de Robb Webb – que dá mais descrédito ao descrédito do programa. Leitor, acredite, é um programa delicioso. Trinta anos depois, John Lurie regressa com outro “With John”, desta vez “Painting With John”. A grande diferença? Desta vez, John sabe realmente pintar.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.