Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Benfica anunciou na noite deste domingo que, depois de ter registado mais três casos positivos de Covid-19 (e entre eles dois guarda-redes), pediu ao Nacional para adiar o encontro desta segunda-feira a contar para a 15.ª jornada da Primeira Liga, intenção que foi recusada pelos madeirenses. Assim, o encontro que terá início às 17h no Estádio da Luz vai mesmo realizar-se mas com um “recado” para a Liga a partir dessa recusa descrita como algo legítimo: segundo os encarnados, não mais poderão ser adiados encontros por infeções pelo novo coronavírus.

12 estiveram infetados, dez estão infetados e razia continua a aumentar no Benfica: Odysseas Vlachodimos e Everton falham dérbi

“O Sport Lisboa e Benfica esclarece que, em face do elevado número de casos de Covid-19 na sua estrutura profissional, consultou a Liga Portugal e o Clube Desportivo Nacional quanto à possibilidade de adiar a partida da 15.ª jornada. Na sequência da solicitação, justificada pela infeção de dez jogadores do seu plantel e de 17 elementos do seu staff, o Clube Desportivo Nacional entendeu, no seu pleno direto, mostrar-se indisponível para adiar o encontro”, começou por explicar o clube lisboeta em comunicado no seu site oficial.

“Confrontado com a decisão e perante a imposição da Liga Portugal para que, na ausência de um acordo entre as partes, se cumpram os regulamentos, o Sport Lisboa e Benfica deu continuidade a todos os mecanismos de preparação da partida, mormente no que toca à determinação e ambição de vitória que pautam a sua postura em qualquer competição. Um espírito de união reforçado, ainda mais, pelo atual momento desafiante que a equipa atravessa”, prosseguiu, expressando também o posicionamento da Liga nesta decisão.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Benfica teve 17 casos de Covid-19 desde sábado, cinco entre jogadores, e fica a aguardar decisão sobre adiamento dos próximos jogos

“O Sport Lisboa e Benfica entende que, doravante, com exceção dos motivos regularmente previstos, não haverá justificação admissível que suporte uma decisão de adiamento de quaisquer outros jogos das provas disputadas sob a tutela da Liga Portugal. Em concreto, sempre que os pressupostos constantes do plano específico para o futebol profissional – que reforça a aplicabilidade da Lei 3 das Leis de Jogo – se encontrem salvaguardados. Ou seja, um mínimo de sete jogadores disponíveis”, concluíram os encarnados na mesma missiva.