Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O talho de Manuel Mota, árbitro da Associação de Futebol de Braga que tem a sua atividade profissional radicada também na cidade dos arcebispos, foi vandalizado na madrugada deste domingo, apenas algumas horas depois da final da Taça da Liga entre Sporting e Sp. Braga que acabou com a vitória dos leões e que teve o juiz como quarto árbitro. A informação foi revelada em comunicado pelo Conselho de Arbitragem da Federação, sendo que Manuel Mota, que é proprietário de vários talhos no Minho, já tinha visto um dos estabelecimentos comerciais, em Vila Verde, ser vandalizado pelo menos duas vezes há alguns anos após jogos para a Primeira Liga.

Pedro, o espanhol dos calções rotos que se tornou o modelo do Sporting (a crónica da final da Taça da Liga)

“O Conselho de Arbitragem (CA) teve conhecimento este domingo que o estabelecimento comercial do árbitro Manuel Mota foi vandalizado durante a madrugada. O CA condena de forma veemente este acontecimento e acredita que as autoridades policiais, que já foram informadas do sucedido, serão capazes de identificar os autores de mais este ato cobarde. Este tipo de ações deve merecer o firme repúdio de todos os clubes e agentes desportivos, algo que, espera o Conselho de Arbitragem, não deixará de acontecer”, defendeu a missiva.

“Manuel Mota está nomeado para um encontro das competições profissionais e terá todo o apoio do Conselho de Arbitragem no exercício da sua atividade. O Conselho de Arbitragem reafirma que os árbitros não se deixam intimidar por atos que não têm lugar no desporto como o entendemos”, concluiu o comunicado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Golo nasce de falta que não existe? Coates faz penálti? Fransérgio e Matheus Nunes deviam ter sido expulsos? Os 11 casos da final

“É um ato de cobardia e violência que repudiamos. As autoridades policiais já estão a tratar do caso e a identificar os autores desta ação criminosa. Não há lugar para a violência na nossa sociedade e nós, como todos os agentes desportivos, devemos repudiar e condenar publicamente este tipo de ações que gravita à volta do futebol. A intimidação não é uma forma de fragilizar a arbitragem, a APAF prestará todo o apoio ao nosso colega Manuel Mota e fará queixa aos órgãos competentes. A violência não deve ser ignorada, deve ser combatida com a justiça e a indignação de todos!”, destacou também em comunicado a Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol.

“O SC Braga condena de forma veemente os atos de vandalismo cometidos no estabelecimento comercial do árbitro Manuel Mota, repudiando profundamente toda e qualquer manifestação de violência. As decisões dos agentes da arbitragem no decurso da sua atividade desportiva não podem servir de justificação para este tipo de atitudes, esperando por isso o SC Braga que os autores sejam identificados e levados à justiça”, defendeu o clube minhoto também em comunicado, à semelhança do que faria depois o outro finalista: “O Sporting condena em absoluto os atos de vandalismo praticados contra o estabelecimento comercial do árbitro Manuel Mota, que desempenhou ontem as funções de quarto árbitro na final da Allianz Cup. A violência e ameaça não podem fazer parte do desporto em Portugal e o Sporting repudia veemente este tipo de comportamento”.