Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A empresa mãe da Google, a Alphabet, decidiu pôr fim ao Loon, o projeto que pretendia usar uma frota de balões para assegurar a cobertura de Internet de alta velocidade nas regiões mais remotas. O CEO do Loon, Alastair Westgarth, anunciou na sexta-feira o encerramento do projeto de nove anos, depois de a empresa não ter conseguido encontrar novos parceiros para implementar um modelo de negócio sustentável.

Numa publicação no site Medium, o diretor executivo do Loon explicou que a empresa procurava resolver o problema da paridade digital no mundo, lembrando que o pretendido era providenciar serviços de Internet às populações em áreas mais remotas, onde é demasiado dispendioso fazer chegar tecnologia. Apesar de a empresa ter encontrado vários parceiros com vontade de colaborar, Alastair Westgarth lamenta não ter encontrado “uma forma de baixar os custos o suficiente para construir um negócio sustentável a longo prazo”, lê-se na publicação.

Tal como refere o meio TechCrunch, o fim do Loon deixou o mundo da tecnologia surpreendido, uma vez que o projeto já ganhava algum reconhecimento a nível mundial, após os seus balões terem sido usados para restabelecer as telecomunicações após uma intempérie em Porto Rico há três anos.

No ano passado, o governo do Quénia também aprovou a utilização destes balões para fornecimento de Internet e o projeto alcançou o sucesso em poucos meses. Já em 2019, o Loon conseguiu um investimento de 125 milhões de dólares do SoftBank para disponibilizar o acesso à Internet em todo o mundo.

O TechCrunch aponta também que o crescente interesse da SpaceX e da Amazon nesta área de negócio teve influência na decisão da Alphabet.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR