212kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

O MEO ajuda-o a poupar, simule aqui.

DGS. 215 concelhos no nível de risco extremamente elevado /premium

No continente existem apenas dois concelhos no nível de risco mais baixo. Num mês, passámos de 25 concelhos no nível extremo para 215. Dois concelhos com mais de 6.000 casos por 100 mil habitantes.

i

Comparação das incidências acumuladas a 27 de dezembro, 5, 12 e 18 de janeiro (da esquerda para a direita)

Comparação das incidências acumuladas a 27 de dezembro, 5, 12 e 18 de janeiro (da esquerda para a direita)

No espaço de uma semana, comparando os dados de 12 e 18 de janeiro, o número de concelhos no nível de risco extremamente elevado subiu de 155 para 215 (mais 60) — num total de 308 concelhos. Já o número de concelhos no nível de risco mais baixo (moderado) desceu de 30 para 19, sendo que apenas dois se localizam no continente: Monchique e Carrazeda de Ansiães — depois, dois na Madeira e 15 nos Açores.

Os concelhos de risco extremamente elevado aumentaram de 25 para 215, quando comparados os dados de há cerca de um mês (dados de incidência acumulada entre 14 e 27 de dezembro) com os dados divulgados esta segunda-feira pela Direção-Geral de Saúde, e que correspondem à incidência acumulada entre 5 e 18 de janeiro. Aliás, a 27 de dezembro, havia 223 concelhos nos níveis de risco elevado ou superior, enquanto a 18 de janeiro eram 215 só no nível extremo e 289 no total dos três níveis de risco mais altos (com 22 no nível elevado e 52 no nível muito elevado).

Comparando os dados divulgados esta semana com os da semana passada regista-se a subida de nível em 77 concelhos, 62 dos quais para nível extremamente elevado. Entre estas subidas destacam-se Porto Santo (Madeira) que subiu três níveis de risco (de moderado para extremamente elevado) e Arronches, Castelo de Vide e Manteigas que subiram dois níveis (de elevado para extremo).

No extremo oposto, desceram de nível de risco apenas seis concelhos: Castro Verde, Lagoa (Açores), Ribeira Brava (Madeira) e Vila Velha de Ródão desceram do nível muito elevado para elevado; e, Mourão e Vidigueira do nível extremo para muito elevado. Há 221 concelhos que se mantém no mesmo nível de risco da semana anterior, apenas 12 no nível de risco moderado (10 deles nas ilhas).

No que diz respeito às ilhas há dois concelhos nos Açores (Ponta Delgada e Lagoa) e sete na Madeira no nível de risco elevado; nenhum no nível de risco muito elevado; e, quatro no nível extremo: Câmara de Lobos (980 casos por 100 mil habitantes a 14 dias) e Porto Santo (1.038), na Madeira, e Vila Franca do Campo (1.077) e Ribeira Grande (1.591), nos Açores.

Aguiar da Beira com maior incidência e maior aumento

Aguiar da Beira é simultaneamente o concelho com maior número de novos casos por 100 mil habitantes a 14 dias (6.255) e o que teve o maior aumento no espaço de uma semana — mais 2.149 casos por 100 mil habitantes. O concelho já tinha estado entre os 10 com maior aumento na semana anterior.

O segundo concelho com maior incidência é Cuba (6.224 casos por 100 mil habitantes) e estava entre os que mais tinham subido na semana passada. Agora, apresenta uma subida mais modesta (55.º lugar, com mais 566 casos por 100 mil habitantes).

Concelhos com maior incidência a 14 dias
Novos casos por 100 mil habitantes acumulados a 18.Jan
Aguiar da Beira 6255
Cuba 6224
Figueira de Castelo Rodrigo 5534
Alter do Chão 4234
Fornos de Algodres 4196
Penalva do Castelo 3781
Borba 3652
Góis 3417
Ferreira do Zêzere 3355
Alcácer do Sal 3276

Figueira de Castelo Rodrigo e Góis estão na lista dos 10 concelhos com maior incidência acumulada a 14 dias e entre os 10 que mais subiram em relação à semana anterior.

Sernancelhe é o segundo concelho com maior subida (mais 2.039 casos por 100 mil habitantes) e está em 11.º lugar na lista dos concelhos com maior incidência acumulada (3.225). Arronches aparece em terceiro lugar nas subidas e, como já tinha sido referido, subiu dois nível de risco numa semana.

Concelhos com maior aumento Incidência cumulativa a 18.Jan Incidência cumulativa a 12.Jan Variação numa semana
Aguiar da Beira 6255 4106 2149
Sernancelhe 3225 1186 2039
Arronches 1950 319 1631
Alfândega da Fé 2308 703 1605
Penalva do Castelo 3781 2178 1603
Vouzela 3129 1580 1549
Penedono 2161 695 1466
Figueira de Castelo Rodrigo 5534 4208 1326
Sátão 2418 1269 1149
Góis 3417 2286 1131

Entre os 46 concelhos que diminuíram o número de novos casos por 100 mil habitantes até 18 de janeiro, sete tiveram uma redução na incidência maior que 500 casos por 100 mil habitantes no espaço de uma semana (com os dados de incidência acumulada até 12 de janeiro).

Mêda, que apresenta a maior descida (menos 1.635 casos por 100 mil habitantes), estava na semana passada entre os 10 concelhos com maior subida — com mais 1.526 casos por 100 mil habitantes do que os dados relativos a 5 de janeiro. Nisa está numa situação semelhante: na semana passada tinha aumentado 1.815 casos por 100 mil habitantes, agora desceu 495.

Concelhos Incidência cumulativa a 18.Jan Incidência cumulativa a 12.Jan Variação numa semana
Mêda 2965 4600 -1635
Miranda do Douro 2240 3499 -1259
Mora 1353 2320 -967
Vidigueira 926 1851 -925
Mértola 1189 2100 -911
Mourão 816 1592 -776
Crato 991 1502 -511
Nisa 2508 3003 -495
Mação 1851 2266 -415
Pinhel 2467 2843 -376

Mora e Mourão, por sua vez, voltam a estar entre os 10 concelhos com a maior descida na incidência acumulada tal como já tinha acontecido na semana passada — Mourão até desceu de nível de risco. Os dados de 20 de dezembro, no entanto, contavam uma história bem diferente para estes concelhos: Mora tinha tido a maior subida e Mourão estava entre os concelhos com maior incidência acumulada.

Concelhos mais populosos do Norte com menor incidência do que os de Lisboa

Entre os concelhos com maior densidade populacional (dados dos Censos 2011), Odivelas é o que apresenta maior número de novos casos por 100 mil habitantes acumulados a 14 dias (1.464), seguido de Lisboa (1.404) e a Amadora (1.326) aparece em quinto lugar.

As menores incidências acumuladas a 14 dias entre os concelhos com maior densidade populacional estão no Norte: Maia (776), Vila Nova de Gaia (792), Espinho (881) Matosinhos (889) e Porto (918). São também os únicos no nível de risco muito elevado entre os 15 concelhos com maior densidade populacional.

Comparando os dados de 18 de janeiro, divulgados esta segunda-feira, todos os concelhos subiram a incidência acumulada em relação aos dados da semana anterior.

Concelhos Casos/100 mil hab (14 dias) Nível de risco
Amadora 1326 Extremamente elevado
Lisboa 1404 Extremamente elevado
Porto 918 Muito elevado
Odivelas 1464 Extremamente elevado
Oeiras 1126 Extremamente elevado
Matosinhos 899 Muito elevado
São João da Madeira 1353 Extremamente elevado
Almada 1291 Extremamente elevado
Barreiro 1216 Extremamente elevado
Cascais 1089 Extremamente elevado
Vila Nova de Gaia 792 Muito elevado
Seixal 1111 Extremamente elevado
Maia 776 Muito elevado
Espinho 881 Muito elevado
Entroncamento 1354 Extremamente elevado

Setúbal é a capital de distrito com maior incidência a 14 dias

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.