Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Janeiro poderá ter sido um bom mês para os socialistas. De acordo com a mais recente sondagem da Aximage para o Jornal de Notícias, Diário de Notícias e TSF, divulgada esta terça-feira, o PS começou o ano com um crescimento de 1,4% nas intenções de voto face a janeiro do ano passado, permanecendo em primeiro lugar nas escolhas dos portugueses com 39,9%. A contagem não teve, no entanto, em conta a polémica do fecho das escolas, uma vez que foi feita a partir de 1.183 entrevistas realizadas entre os dias 9 e 15 de janeiro.

O PSD, em segundo com 26,6%, também registou uma subida, mas ligeiramente menor, de 1,2%. Ainda assim, e como lembram o JN e DN, fica a um ponto do que conseguiu nas legislativas de 2019 e a um pouco mais de 13 pontos percentuais do PS.

PS e PSD foram os únicos partidos que registaram uma subida digna de nota neste mês de janeiro. O CDS-PP, que ficou em último com o pior resultado da direita, também subiu, mas apenas 0,5% em relação ao ano passado, num total de 0,8%. Em relação aos outros partidos, o Iniciativa Liberal manteve a sua posição (3,5%) e os restantes desceram.

As descidas prejudicaram sobretudo o Bloco de Esquerda, que foi ultrapassado pelo Chega, que ocupa agora o terceiro lugar nas estimativas dos resultados para as próximas eleições legislativas, com 7,5% do total de votos, menos o,2% do que em 2020. Remetidos para quarto lugar, os bloquistas reúnem agora 7,2% das intenções (menos 1,3%) e a CDU, em quinto, 5% (menos 0,7%). O PAN reuniu 3,5% dos votos dos eleitores auscultados pela Aximage, menos 1,2% do que no ano passado.

Mais de 5% dos eleitores (5,5%) que admitiram votar em branco nas próximas eleições, um valor que é mais elevado do que o número de votos alcançados por metade dos partidos (CDU, PAN, Iniciativa Liberal e CDS-PP).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR