O Twitter lançou segunda-feira uma nova ferramenta de luta contra a desinformação que recorre diretamente à colaboração dos próprios utilizadores, duas semanas depois de banir o ex-presidente dos EUA, Donald Trump.

A exclusão da conta do multimilionário norte-americano evidenciou o poder daquela rede social em termos de regulação da liberdade de expressão e lançou o debate sobre o tema entre diversos líderes internacionais.

A nova ferramenta “Birdwatch” (observação de aves) permite a um conjunto de voluntários nos Estados Unidos assinalar mensagens e escrever notas de contexto que serão visíveis, inicialmente, apenas numa plataforma separada.

O nosso objetivo é tornar essas notas visíveis logo abaixo dos tweets para o público mundial do Twitter quando houver um consenso generalizado entre uma grande e diversificada base de colaboradores”, explicou, em comunicado, o vice-presidente do Twitter, Keith Coleman.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Segundo um inquérito preliminar realizado pela rede social, “os utilizadores gostam que as notas sejam provenientes da comunidade (mais do que da autoridade central do Twitter) e que forneçam um contexto para ajudá-los a compreender um tweet (em vez de se concentrar em etiquetas como verdadeiro ou falso”, acrescentou o responsável.

A empresa com sede em São Francisco deu recentemente um dos passos mais radicais e controversos da sua história, ao suspender o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por incitar à violência durante os tumultos no Capitólio, em 6 de janeiro.

Na semana passada, o dono e fundador do Twitter, Jack Dorsey, expressou a sua preocupação sobre o tema e considerou, numa reflexão individual, que a decisão foi “boa”, mas constituiu “um falhanço” da parte da rede social em “promover uma conversação saudável”.

“Isto abre um precedente que considero perigoso: o poder que um indivíduo ou uma empresa têm sobre uma parte da discussão pública global”, admitiu Dorsey.

A rede social Twitter era a principal ferramenta de comunicação de Donald Trump, que a utilizava para falar diariamente com os seus 88 milhões de seguidores.

O ex-presidente foi também suspenso do Facebook, Snapchat e Twitch, entre outras, dando origem a reações indignadas de chefes de estado ou organizações não governamentais, preocupados com o poder acumulado pelas redes sociais no que diz respeito à liberdade de expressão.

“Sabemos que lançar um sistema como este, assente na comunidade, vai colocar numerosos desafios – é preciso que resista a tentativas de manipulação para que não seja dominado por uma maioria simples de colaboradores ou julgamentos antecipados”, concluiu o vice-presidente do Twitter.