Desde 21 de janeiro, com 4371 mortes, que os Estados Unidos da América não registavam tantas mortes diárias causadas pela Covid-19. Nas últimas 24 horas o país teve  4.206 e 175.602 casos, indicou a contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Isto depois de no dia 12 de janeiro ter alcançado o máximo de 4.483.

De acordo com o balanço realizado às 20h00 de segunda-feira (01h00 de hoje em Lisboa), o país contabilizou 425.036 óbitos e 25.433.812 casos desde o início da pandemia.

O estado de Nova Iorque continua a ser o mais duramente atingido pela pandemia com 42.726 mortos, seguindo-se a Califórnia com 37.822.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos e também com mais casos de infeção confirmados em todo o mundo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O número provisório de óbitos – 425.036 – ultrapassou já as estimativas iniciais da Casa Branca, que previu entre 100 mil e 240 mil mortos.

O novo Presidente norte-americano, Joe Biden, indicou que, em fevereiro, o país terá meio milhão de mortos e que, ao todo, o número de óbitos será superior a 600 mil.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.149.818 mortos resultantes de mais de 100 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço da Universidade Johns Hopkins, dos EUA.

Em Portugal, morreram 11.012 pessoas dos 653.878 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.