A antologia finlandesa “The Thick Book of Kuti” foi eleita a melhor BD alternativa pelo Festival de Banda Desenhada de Angoulême (França), num prémio para o qual estava nomeada a publicação portuguesa “Pentângulo”.

De acordo com o palmarés divulgado pelo festival, a antologia premiada tem quase 500 páginas e reúne BD editadas entre 2006 e 2018 na publicação finlandesa Kuti Magazine, assinadas por 174 autores, entre os quais os portugueses André Lemos e Marcos Farrajota e os moçambicanos Rui Tenreiro e Sérgio Zimbra.

Entre os nomeados ao prémio de melhor BD alternativa do festival de Angoulême estavam a publicação portuguesa “Pentângulo”, com BD de alunos e professores do Ar.Co – Centro de Arte e Comunicação Visual, e as publicações brasileiras “Café Espacial” e “CWB”.

Dos restantes prémios da 48.ª edição do festival, o de melhor álbum foi atribuído à edição francesa “L’accident de chasse”, novela gráfica dos autores norte-americanos Landis Blair e David Carlson, enquanto o prémio especial do júri foi para o autor britânico Steven Appleby, por “Dragman”, e o prémio revelação foi atribuído à autora francesa Maurane Mazars, pelo álbum “Tanz!”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Festival de Banda Desenhada de Angoulême acontece habitualmente em janeiro, mas, por causa do contexto pandémico da covid-19, foi reagendado para o verão, entre 24 e 27 junho, embora a organização tivesse já anunciado o palmarés das distinções para a melhor produção em BD.

Este ano, o festival volta a ser palco de polémica, com um grupo de artistas, desenhadores, argumentistas, a ameaçarem com um biocote à programação se não virem cumpridas reivindicações de combate à precariedade, melhores remunerações e de criação de um estatuto profissional.