Há uma série de modelos da Porsche que quando equipados com o pack Sport Chrono, muito frequente, poluem mais do que o permitido. Daí que a National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA) tenha proibido a sua comercialização no mercado norte-americano, apesar da maioria dos modelos em causa, fabricados entre 2012 e 2016, serem produzidos na Alemanha e idênticos aos comercializados noutros mercados, como o europeu.

Todos os concessionários de todas as marcas retomam os veículos antigos dos seus clientes para lhes venderem novos, com esses modelos usados a serem colocados no mercado, muitas vezes, como uma forma de aceder à gama por um preço inferior. E com a Porsche não é diferente, ou pelo menos não era, até se descobrir que a maioria dos modelos, em determinadas condições, polui mais do que é permitido.

O problema não é tão simples quanto parece e implica mesmo um incumprimento das normas norte-americanas em matéria de emissões poluentes, que todos os fabricantes têm de respeitar. Sucede que a Porsche, com os seus 911, Cayman, Boxster, Cayenne e Panamera, respeitantes ao período entre 2012 e 2016, cumpre o limite de emissões de óxidos de azoto (NOx) apenas nos modos de condução normal e Sport. Quando é accionado o Sport Plus, que faz parte do pack Sport Chrono, opção muito frequente entre os clientes da marca, até em Portugal, o motor altera o ruído, a rapidez na aceleração e… os poluentes que lança para o ar.

O defeito foi detectado e a NHTSA tomou conta da situação, proibindo a marca de se livrar do stock de usados equipados com o dispositivo problemático. Segundo a Business Insider, nada foi comunicado aos clientes ou potenciais interessados, que se aperceberam que algo estranho se passava quando a Porsche não lhes permitia adquirir o usado que estava à venda. Há mesmo relatos de clientes que deixaram na concessão Porsche usados para vender à consignação e que receberam um telefonema para irem levantar o carro, uma vez que a marca não o poderia vender.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Questionada pela publicação, a NHTSA preferiu não comentar. Mas um porta-voz da marca acabaria por admitir que, efectivamente, existe a obrigação de parar com as vendas daqueles usados e que essa proibição está em vigor desde Novembro de 2020. A Porsche confessou que está a desenvolver um software para ultrapassar a situação e permitir aos modelos poluir dentro dos limites legais, mas revelou ainda que, até agora, não encontrou uma solução – o que será difícil de atingir sem limitar o que foi prometido aos clientes.

Como esta proibição acaba por limitar o valor e a capacidade de vender o veículo através da rede oficial, resta saber se a Porsche não vai ter pela frente uma espécie de dieselgate mas de menores dimensões, por mais uma vez os seus modelos não cumprirem os limites de emissões poluentes. Garantido é também que a NHTSA vai analisar com particular cuidado os modelos mais recentes, bem como os novos, para garantir que o problema não persiste.