A secretária do Tesouro norte-americana, Janet Yellen, disse que vêm aí “meses difíceis” para o país, por causa da pandemia de Covid-19, e pede ao Congresso que aprove o pacote de emergência do Presidente Biden.

Na sua primeira entrevista desde que se tornou secretária do Tesouro, na semana passada, Yellen disse que o Presidente Joe Biden está disponível para cooperar com os republicanos na aprovação do seu pacote de emergência numa base bipartidária.

Os democratas no Congresso dos EUA avisaram que, se o apoio do Partido Republicano não estiver disponível, eles estão preparados para aprovar a medida — um pacote de ajuda no valor de cerca de 1,5 mil milhões de euros — apenas com o apoio dos democratas.

“Temos alguns meses difíceis pela frente”, reconheceu Yellen, referindo-se ao impacto da crise sanitária na economia dos EUA, durante a entrevista a um programa da cadeia televisiva ABC.

EUA. Senado norte-americano oficializa (com unanimidade) Janet Yellen como primeira secretária do Tesouro

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Questionada sobre como é ser a primeira mulher a servir como secretária do Tesouro, Yellen, que já tinha sido a primeira mulher a liderar o banco central dos Estados Unidos, disse que o legado que procura é a aprovação de uma medida de alívio económico para a pandemia de Covid-19.

Yellen considera que o seu país enfrenta “a crise económica mais grave” da história recente, mostrando-se empenhada em que os sacrifícios que os norte-americanos estão a fazer não sejam em vão.

Sobre a recente turbulência no mercado de ações que opôs pequenos investidores ‘online’ às gigantes empresas de fundos, Yellen disse que se reunirá ainda esta quinta-feira com reguladores federais da Comissão de Valores Mobiliários, do banco central (Federal Reserve) e da Comissão de Transações de Futuros.

“Precisamos entender o que aconteceu”, conclui Yellen, para salvaguardar decisões dos reguladores sobre a implementação de quaisquer mudanças.