O Luxemburgo vai enviar para Portugal já este domingo, 14 de fevereiro, um médico e um enfermeiro especializados em cuidados intensivos que ficarão alocados ao hospital de Évora.

Num comunicado enviado à agência Lusa, o Governo luxemburguês refere que no âmbito da “oferta de assistência” aceite por Portugal está a ser criada uma primeira equipa composta por um médico e um enfermeiro especializados em cuidados intensivos que partirá do Luxemburgo no domingo, 14 de fevereiro. Em curso também estão os preparativos para chegar uma segunda equipa similar a partir de 20 de fevereiro, adianta o Governo do Luxemburgo.

A estadia das equipas médicas provenientes do Luxemburgo deve durar duas semanas, precisa o dito comunicado.

“Esta ajuda é uma ilustração das relações estreitas e amistosas entre o Luxemburgo e Portugal, cimentadas pela existência de uma grande comunidade portuguesa que vive e trabalha no Grão-Ducado, e um ato de solidariedade do Luxemburgo para com um país amigo”, afirma ainda o comunicado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A nível nacional, a implementação deste acordo está a ser organizada pelo ministério de Estado, o Alto Comissariado para a Proteção Nacional, o ministério da Saúde, o ministério dos Negócios Estrangeiros e Europeus e o Serviço de Salvamento Aéreo do Luxemburgo, com a assistência da embaixada do Luxemburgo em Lisboa.

O Ministério da Saúde confirmou ao Observador a vinda destas equipas médicas mas remeteu para o Hospital de Évora a confirmação de quantos médicos e enfermeiros luxemburgueses chegariam este domingo. Depois de várias tentativas, não foi possível estabelecer contacto com a unidade hospitalar alentejana. Ainda assim o ministério da Saúde confirmou que os profissionais de saúde luxemburgueses deverão começar a trabalhar durante a semana que vem, depois de se instalarem e conhecerem melhor a realidade do hospital que vão estar a ajudar.

De recordar que também a vinda da equipa médica alemã – 27 profissionais – também gerou polémica sobre o tamanho da equipa de apoio, a data de chegada da mesma e a unidade hospitalar a que seriam alocados (que acabaria por ser o Hospital da Luz, em Lisboa).