Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A história de João Almeida foi o Giro? Não, a história de João Almeida começou apenas no Giro (pelo menos mais a sério). E o português teve um arranque prometedor na nova época de 2021, na Volta aos Emirados Árabes Unidos (EAU), onde conseguiu colocar-se entre os primeiros para discutir a vitória final ao longo da semana.

As três semanas históricas do Giro em que os portugueses saíram da sombra: João Almeida em quarto, Rúben Guerreiro com a azul

Na primeira etapa da prova, entre o Castelo de Al Dhafra e Al Mirfa na distância de 176 quilómetros, o corredor da Deceuninck-Quick-Step conseguiu sair melhor dos cortes que foram sendo feitos no pelotão e terminou na nona posição com a três segundos do vencedor, o holandês Mathieu van der Poel (Alpecin–Fenix), e subiu ao quarto lugar da geral com as bonificações, a sete segundos da camisola vermelha e com um segundo de vantagem sobre aquele que é apontado por todos como o grande favorito à vitória final, Tadej Pogacar (Team UAE Emirates).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

David Dekker (Jumbo) e Michael Mörköv (Deceuninck-Quick-Step) fecharam o pódio da etapa, ocupando também os segundos e terceiros lugares atrás de Van der Poel a quatro e seis segundos, respetivamente. Fausto Masnada, também da equipa de João Almeida, fechou o top 10 da etapa, ao passo que Adam Yates, que surge como um dos favoritos a par de Pogacar, acabou no 12.º lugar. Rúben Guerreiro, o outro português na Volta aos EAU pela formação da EF Education, ficou em 59.º na etapa, chegando no pelotão a 8.29 minutos.

Além da quarta posição da classificação geral, João Almeida recebeu também a camisola preta da liderança nos sprints intermédios (16 pontos, mais dez do que o companheiro de equipa Mattia Cattaneo e mais 11 do que Tadej Pogacar) e está em segundo na camisola verde dos pontos, com dois pontos a menos do que Mathieu van der Poel (20-18). O português surge como potencial destaque da segunda etapa esta segunda-feira, um contrarrelógio mais curto de apenas 13 quilómetros na ilha de Al Hudayriat, que antecede a primeira chegada a subir da prova.