Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nos últimos meses, os gigantes do entretenimento audiovisual têm mudado e diversificado as suas estratégias. Muitas estreias que iriam para o cinema vão diretas para os serviços de streaming – ou estreiam-se simultaneamente – e há também muitas estreias de séries que foram repensadas para o atual contexto. A Disney, por exemplo, foi obrigada a repensar toda a sua estratégia para a quarta fase do Universo Cinematográfico da Marvel.

E é da Disney que se fala. Esta terça-feira, 23 de fevereiro, chegam uma série de novos conteúdos ao serviço de streaming da companhia. A Disney já tinha deixado claro que queria dominar o espaço familiar e com a inclusão dos conteúdos Star deixa isso ainda mais marcado: o Disney+ não é só para ver “em família”, é para “toda a família”, defendem os responsáveis. O Star é como um novo ramo do Disney+, onde se incluem séries e filmes mais virados para os adultos (ou seja, menos virado para o contexto familiar) que a Disney detém e que estão presentes noutras plataformas, como ABC, Hulu, FX ou Freeform.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.