Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois de ter impedido todos os utilizadores na Austrália de partilharem e verem hiperligações de notícias na rede social — e de ter voltado atrás na decisão–, o Facebook justificou esta quarta-feira a sua decisão com um “mal entendido” que houve com os meios de comunicação daquele país. Mesmo sendo uma defesa da honra da empresa, a rede social deixa uma promessa: vai investir mais de mil milhões de dólares (cerca de 825 milhões de euros) em jornais.

No Canadá, o primeiro-ministro Justin Trudeau já disse que quer seguir as pisadas da Austrália em matéria de legislação e acrescentou que é preciso que os países se unam para levar o Facebook a pagar pelas notícias partilhadas na sua plataforma.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.