Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O apito final tinha acabado de soar em Atenas. Darwin e Nuno Tavares, ambos do lado esquerdo do ataque do Benfica, estavam presos ao relvado enquanto os jogadores do Arsenal festejavam a passagem aos oitavos de final da Liga Europa. David Luiz, antigo central encarnado, depressa largou as celebrações dos ingleses para apoiar os que agora vestem a camisola que já vestiu: abraçou-se a Darwin, cumprimentou Nuno Tavares e ainda esperou por Cervi, que entrou em campo vindo do banco de suplentes.

Rafa esteve muito perto de ser o Isaías de 2021: só faltou o resultado (a crónica do Arsenal-Benfica)

O momento protagonizado pelo central brasileiro acabou por ser um dos mais bonitos desta segunda mão dos 16 avos de final da Liga Europa, mesmo tendo acontecido já depois do apito final. O Benfica está fora das competições europeias, apesar de ter marcado nos dois remates enquadrados que fez na partida, e foi traído pela enorme eficácia do Arsenal e pela incapacidade de travar Aubameyang. O avançado gabonês, que ao serviço do Borussia Dortmund já tinha marcado um hat-trick ao clube português, chegou ao quinto golo contra os encarnados e igualou Ian Rush como o segundo maior carrasco da história do Benfica, apenas atrás do alemão Jürgen Klinsmann.

Os encarnados caem nos 16 avos de final da Liga Europa pela segunda época consecutiva, depois de terem sido afastados pelo Shakhtar Donetsk em 2020, e deixa a competição europeia na primeira derrota que sofre, em oito jogos. A equipa de Jorge Jesus atravessa o pior período da temporada, já que não ganha há quatro partidas, entre três empates e uma derrota, e leva 38 golos sofridos em 37 encontros disputados. Esta foi a quarta vez que o Benfica sofreu três golos em 2020/21 (depois de Boavista, Rangers e Sp. Braga) e foi a oitava na vez na história em que foi afastado por uma equipa inglesa, num percurso que começou em 1966 com o Manchester United.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Benfica está no quarto lugar da Primeira Liga, a 15 pontos da liderança, não chegou à final da Taça da Liga, perdeu a Supertaça Cândido de Oliveira, foi eliminado da Liga dos Campeões logo no início da temporada e agora está fora da Liga Europa. Ou seja, tem agora a época reduzida à corrida pelo apuramento para a Champions, no Campeonato, e à Taça de Portugal, onde está em vantagem nas meias-finais contra o Estoril. Depois do jogo, Jorge Jesus reconheceu a “frustração” pela eliminação. “Faltou sermos melhores no ‘um para um’, depois de termos feito um excelente jogo, contra uma grande equipa. Fomos mudando com as entradas, estava 1-1 mas queríamos o segundo golo. Tentámos ter sangue novo e mais capacidade ofensiva. A equipa foi premiada com o segundo golo do Rafa e depois não conseguimos segurar o resultado, com duas situações que não têm a ver com o coletivo”, explicou o treinador.

“A equipa fez melhor do que em Itália [na primeira mão], não há comparação possível. Teve momentos de jogo de grande categoria. Falhámos em dois momentos mais fáceis do que outras situações e isto marca, não só no resultado mas emocionalmente. Sais daqui frustrado, no fundo é isso. Face ao resultado e face ao jogo e ao momento. São pancadas atrás de pancadas. Estamos numa crise, a equipa está a pôr a cabeça de fora e hoje podia ficar mais forte emocionalmente, mais confiante. Ao perder assim ainda fica pior”, acrescentou Jesus, que reconheceu a passividade de Lucas Veríssimo no terceiro golo mas garantiu que o central esteve bem de uma forma geral, elogiando ainda a exibição de Rafa.

Além das exibições positivas de Rafa, que marcou um golo, e de Weigl, que sofreu a falta que deu o empate ao Benfica ainda na primeira parte, um dos destaques positivos dos encarnados neste jogo em Atenas foi o enorme livre direto marcado por Diogo Gonçalves. O lateral português estreou-se a marcar pelo clube, ao 30.º jogo, mas garantiu na flash interview que “trocava o golo pela vitória”. “Fizemos um grande jogo. Batemo-nos de frente com uma das melhores equipas do mundo, com grandes jogadores. Estivemos por cima do jogo e sofremos a acabar. Estamos frustrados mas há que olhar para a frente. Esta exibição vai dar força para o que aí vem. Estamos frustrados mas há que ter a cabeça erguida. Estamos na Taça de Portugal e ainda temos uma palavra no Campeonato. Estou infeliz pelo resultado. A equipa está acima de tudo”, garantiu o jogador de 24 anos.