O construtor germânico revelou aquele que é o seu modelo mais popular. O novo Classe C assume as linhas mais arredondadas dos veículos mais recentes da Mercedes, com um novo conjunto frontal em que a grelha é similar à utilizada pelo Classe A e os faróis são mais rasgados por LED.

O novo C está disponível com carroçaria de berlina ou carrinha, aumentando ligeiramente de dimensões face à geração anterior, anunciando 4,75 m de comprimento, o que, em relação aos seus maiores rivais germânicos, posiciona-o acima do BMW Série 3 (4,71 m) e abaixo do Audi A4 (4,76 m). A bagageira da berlina mantém 455 litros, mas a carrinha sobe para 490 litros.

13 fotos

Por dentro, o Classe C pode oferecer a maioria do equipamento que a Mercedes introduziu nos seus modelos mais recentes, tanto de entretenimento como de ajudas à condução. O painel de instrumentos é digital e o ecrã central vertical ocupa o centro do tablier e consola.

As novidades no capítulo das mecânicas podem ser boas ou menos boas, consoante o ponto de vista. Para quem gostava dos anteriores motores de seis cilindros e, sobretudo, do V8, com uma sonoridade melodiosa, vai lamentar o seu desaparecimento, uma vez que o novo Classe C vai estar limitado a unidades com apenas quatro cilindros, com 2.0 no caso dos diesel e 1.5 e 2.0 nas versões a gasolina. A boa notícia é que este foi um sacrifício em nome da eficiência energética, uma vez que todos os motores são híbridos, a generalidade mild hybrid, conseguindo uma pequena redução do consumo e emissões, à excepção dos que recorrem ao sistema híbrido plug-in (PHEV).

7 fotos

São precisamente estes últimos que são os preferidos de muitos clientes da Mercedes, por não só beneficiarem de importantes vantagens fiscais, como por assegurarem uma redução palpável do que gastam e emitem. Esta vantagem é mais evidente se o condutor recarregar a bateria sempre que possível, solução que tem um interesse acrescido no 300e, que consegue percorrer 100 km em modo 100% eléctrico. Este Classe C 300e associa um motor 2.0 sobrealimentado a gasolina, com 204 cv, a um eléctrico de 95 kW, cerca de 129 cv. Este último é alimentado por bateria com uma capacidade de 25,4 kWh (recarrega em AC até 11 kW e em DC até 55 kW). No total são 313 cv de potência e 550 Nm de torque, que fazem deste o PHEV com maior autonomia em modo eléctrico.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR