O Eixo Atlântico congratulou-se esta sexta-feira com a conclusão da eletrificação da linha férrea entre o Porto, Portugal, e Vigo, Espanha, uma reivindicação “histórica” da associação transfronteiriça e lamentou o “atraso” na construção da “saída sul” daquela ligação.

Os avanços na ligação ferroviária entre a Galiza e o Norte de Portugal, para os quais o Eixo Atlântico trabalha há mais de uma década, são um sucesso para os cidadãos. É uma boa notícia, mas lamentamos o atraso em Espanha para impulsionar a saída sul de Vigo”, afirmou o secretário-geral, Xoán Vázquez Mao, citado numa nota enviada à imprensa esta sexta-feira.

No documento, a associação transfronteiriça que reúne 39 municípios do Norte de Portugal e da Galiza, recorda “ao Governo de Espanha a necessidade de viabilizar a saída sul ferroviária com a tramitação do troço Vigo – O Porriño para se conseguir ter tempos competitivos na ligação ferroviária entre A Coruña e Lisboa”.

Para tal, apenas é necessário lançar a concurso o estudo informativo preliminar, etapa inicial obrigatória para iniciar todo o processo de construção do novo troço até à fronteira que faz a ligação com a nova linha Fronteira-Porto, já está a ser tratado pelo Governo de Portugal, e cuja previsão é que esteja operacional antes de 2030″, reforça o documento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Eixo Atlântico acrescenta que “todos os testes necessários para se colocar em funcionamento a eletrificação do troço ferroviário entre Guillarei e Tui, na província galega de Pontevedra, estão concluídos, incluindo a circulação dos comboios eletrificados“.

A “conclusão daqueles trabalhos foi confirmada ao Eixo Atlântico pelo Administrador das Infraestruturas Ferroviárias (Adif)”.

É uma medida que se insere na reivindicação histórica do Eixo para a ligação ferroviária da eurorregião Galiza-Norte de Portugal, e que aguarda autorização da Agência Espanhola de Segurança Ferroviária para iniciarem o serviço. A isto soma-se a recente finalização da eletrificação do troço português entre Viana do Castelo e Valença do Minho, que se encontra em período de testes e que que permitirá que este troço entre em funcionamento, previsivelmente, em abril”, sustenta a associação.

Do lado espanhol, o Eixo Atlântico disse estar a “pressionar” as entidades responsáveis “para que os comboios sejam colocados em funcionamento antes do verão“.

O Eixo Atlântico, com 29 anos de existência, é o sistema urbano transfronteiriço mais antigo da Europa. Com as novas incorporações aprovadas este ano atinge a cifra de 39 sócios, com uma população de sete milhões de habitantes entre a população direta e indireta, sendo a terceira zona urbana da Península Ibérica (atrás de Madrid e Barcelona e Lisboa) e uma das dez na Europa”, reforça.

Segundo a associação, “a defesa das infraestruturas de comunicação tem sido uma das constantes nos últimos 25 anos”

Na quarta-feira, à Lusa, doente da CP-Comboios de Portugal disse que as primeiras três carruagens elétricas, começam a operar na Linha do Minho, entre o Porto e Valença, em abril.

A Infraestruturas de Portugal (IP) apontou o final de março para a certificação da eletrificação do troço entre Viana do Castelo e Valença da Linha do Minho.

A empresa referiu que a fase de construção civil [de modernização e eletrificação] acabou no final de 2020, início de 2021, tendo já sido iniciada a fase de testes, tendo em vista a certificação da linha pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) até final de março.