A nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala assume a partir desta segunda-feira a liderança da Organização Mundial do Comércio (OMC), tornando-se a primeira mulher e a primeira africana neste cargo.

A OMC anunciou no passado dia 15 de fevereiro a nomeação de Ngozi Okonjo-Iweala para diretora-geral da organização, uma escolha feita por consenso.

A Dra. Okonjo-Iweala vai tornar-se a primeira mulher e a primeira africana na liderança da OMC. Vai assumir funções no dia 01 de março e o seu mandato, que pode ser renovado, expira em 31 de agosto de 2025″, referia a mensagem da organização de supervisão do comércio mundial.

Nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala vai liderar a Organização Mundial do Comércio

Após a nomeação, Okonjo-Iweala, de 66 anos, divulgou um comunicado a defender um relançamento da OMC para a tornar uma instituição “forte” e apoiar a recuperação da economia mundial após a pandemia de Covid-19.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Uma OMC forte é essencial se quisermos recuperar completa e rapidamente dos estragos causados pela pandemia de Covid-19. […] A nossa organização enfrenta muitos desafios, mas se trabalharmos em conjunto, podemos tornar a OMC mais forte, mais ágil e mais adaptada às realidades atuais”, declarou Okonjo-Iweala no comunicado.

Dias depois, em declarações à AFP, a nigeriana apontou como objetivos imediatos melhorar o acesso dos países pobres às vacinas contra a Covid-19 e resistir às tendências protecionistas para que o comércio livre possa contribuir para a recuperação económica.

A escolha da nigeriana para liderar a OMC – uma instituição que tem estado quase paralisada – já era esperada após a retirada da candidatura da ministra do Comércio sul-coreana, Yoo Myung-hee, a única que ainda disputava o cargo com Okonjo-Iweala.

Yoo Myung-hee desistiu depois de consultar os Estados Unidos, que eram o seu principal apoio durante a presidência de Donald Trump.

Após vários meses de impasse, a nova administração norte-americana liderada por Joe Biden preferiu levantar os obstáculos à nomeação de Ngozi Okonjo-Iweala.

O processo de escolha do sucessor do brasileiro Roberto Azevedo, que deixou o cargo um ano antes do fim do mandato, estava num impasse desde o outono passado.

Ngozi Okonjo-Iweala foi por duas vezes ministra das Finanças da Nigéria e chefiou a diplomacia do país durante dois meses. Começou a sua carreira em 1982 no Banco Mundial, onde trabalhou durante 25 anos. A nova líder da OMC nasceu em 1954 na Nigéria, mas passou grande parte da sua vida nos Estados Unidos, onde estudou em duas prestigiadas universidades, o Massachusetts Institute of Technology (MIT) e Harvard.