Começou esta sexta-feira a visita histórica do Papa Francisco ao Iraque, a primeira de um Papa àquele país do Médio Oriente, onde os cristãos vivem em minoria numa região até 2017 ocupada pelos extremistas do Estado Islâmico. A visita acontece numa altura especialmente conturbada, depois do lançamento de rockets contra uma base norte-americana e durante a pandemia do coronavírus.

Francisco está no Iraque até 8 de março, numa viagem sob o lema “Sois todos irmãos”. Durante a sua estadia, de alto risco, de 4 dias, a segurança do Papa estará a cargo das forças do governo iraquiano.

Iraque. Para evitar vírus e multidões, Papa vai viajar em carros cobertos

De acordo com a agenda papal, Francisco visitará Ur, o berço de Abraão (lugar de culto para cristãos, judeus e muçulmanos); a capital Bagdade; Najaf, no rio Eufrates; Erbil, capital do Curdistão iraquiano; Mossul, fustigada pelo Estado Islâmico; e Qaraqosh, próxima das ruínas de Nínive (uma das maiores cidades do mundo há milhares de anos) onde se encontram muitos cristãos que resistiram ao Estado Islâmico.

Pela primeira vez, um Papa vai ao Iraque. Francisco quer “assegurar presença cristã” na raiz do Cristianismo

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em algumas destas cidades ainda se escondem combatentes do Estado Islâmico e as marcas da guerra estão presentes tanto na destruição de centenas de igrejas e monumentos históricos, como nas casas e bairros das cidades, particularmente nas regiões do norte agora controladas pelos curdos.

Papa diz aos iraquianos que os visita como peregrino da paz depois de anos de guerra