A recomendação da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 às pessoas com mais de 65 anos e a atualização dos grupos prioritários com a inclusão dos professores e auxiliares escolares são as mais recentes alterações a um plano de vacinação que já vai com muitos remendos — apesar de o coordenador da task force, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, ter garantido em meados de fevereiro que o plano não tinha sofrido mudanças.

Governo anuncia testagem em todos os estabelecimentos de educação e ensino

Mas essas mudanças surgiram logo em dezembro, quando se soube que a campanha de vacinação contra a Covid-19 poderia arrancar logo nesse mês — não em janeiro, como inicialmente previsto — graças à disponibilização de um lote “simbólico” com 9.750 vacinas da Pfizer/BioNTech a Portugal e a outros países europeus. O plano deu o primeiro passo a 27 de dezembro entre os profissionais de saúde na linha da frente ao combate à Covid-19.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.