Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Governo vai nomear uma task force de cientistas comportamentais que terão como responsabilidade ajudar a transmitir mensagens aos cidadãos sobre os comportamentos “recomendados como mais eficazes” no combate à pandemia. Os membros não serão remunerados, segundo o jornal Público, que teve acesso ao despacho de nomeação da ministra da Saúde, Marta Temido.

A task force será coordenada por Margarida Gaspar de Matos, da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa. Será constituída por outros sete cientistas: António Silva, do Instituto Superior de Economia e Gestão; Cristina Godinho, da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica; Duarte Sequeira, dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde; Marta Moreira Marques, do Trinity Centre for Practice and Healthcare Innovation; Miguel Arriaga, da Direcção-Geral da Saúde; Osvaldo Santos, do Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública da Faculdade de Medicina de Lisboa; e Rui Gaspar, da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica.

O despacho citado pelo Público define que a ideia é levar a uma “mudança de comportamentos individuais e coletivos” para que os indivíduos mantenham “os comportamentos recomendados como mais eficazes”. Estas “mudanças comportamentais apenas poderão ser alcançáveis com a aplicação estruturada da ciência comportamental”. A equipa vai produzir estudos e outros documentos e será acompanhada pelo secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro, Tiago Antunes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR