Uma operação coordenada pela Interpol na América Latina levou à detenção de 13 dos fugitivos latino-americanos mais procurados e que envolveu oito países da região, anunciou esta sexta-feira a organização policial internacional.

A detenção dos fugitivos, acusados de crimes como homicídios, sequestros ou violações, ocorreu entre 22 de fevereiro e 5 deste mês durante a “fase operativa” do processo, iniciado a 20 de novembro de 2020 e que decorreu no quadro do projeto El PAcCTO, estabelecido há vários anos e que permite uma colaboração permanente entre várias polícias.

Num comunicado, a Interpol destaca o caso de um homem procurado no Peru por exploração sexual de menores, detido pela Polícia Federal da Argentina.

Outra detenção destacada pela Interpol é a de um chefe de uma rede internacional de tráfico de droga que introduzira mais de duas toneladas de cocaína no Brasil e que foi capturado pela polícia boliviana em Santa Cruz.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Todos os detidos estavam integrados na “lista vermelha” da Interpol, em que a polícia internacional pede a colaboração das forças de segurança de todo o mundo para as respetivas localizações e detenções.

A operação foi a mais frutífera de sempre em termos de detenções realizadas no âmbito da rede de cooperação policial na América Latina, que contou com a colaboração das forças policiais da Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador, Panamá e Peru.

“Estes resultados só foram possíveis graças à rede permanente EL PAcCTO, criada há já bastante tempo entre as forças de segurança latino-americanas para apoiar na detenção de pessoas procuradas pela justiça”, afirmou Stephen Kavanagh, diretor executivo dos Serviços de Polícia da Interpol.