O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, mostrou-se este domingo “profundamente desapontado” com a saída anunciada da Turquia de uma convenção do Conselho da Europa sobre a proteção das mulheres.

“Este é um retrocesso extremamente desanimador para o movimento internacional contra a violência contra as mulheres”, considerou Biden em comunicado.

A Convenção de Istambul, assinada em 2011, obriga os Estados a aprovar legislação que pune a violência doméstica e abusos semelhantes, incluindo violação conjugal e mutilação genital feminina.

A Turquia retirou-se do tratado na sexta-feira, o que originou manifestações com vários milhares de pessoas no país, no sábado, a apelarem ao Presidente Recep Tayyip Erdogan para que reverta a decisão.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A retirada “repentina” e “injustificada” desta convenção é “profundamente dececionante”, considerou o Presidente dos Estados Unidos.

“Os países devem trabalhar para fortalecer e renovar os seus compromissos para acabar com a violência contra as mulheres, não para rejeitar os tratados internacionais destinados a proteger as mulheres e a responsabilizar os agressores”, lamentou.

Os Estados Unidos e a Turquia, ambos membros da NATO, têm relações extremamente tensas desde 2016 e o Presidente Erdogan ainda não se encontrou com Biden desde a posse deste, em janeiro.