Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Passou meio século desde que abriu a primeira loja da Moviflor. Lisboa era outra. O país estava sob a governação de Marcelo Caetano, a Polícia de Segurança Pública abriu o primeiro concurso para a admissão de guardas do sexo feminino e Tonicha representava Portugal na Eurovisão. Lá fora, morria Coco Chanel, John Lennon lançava o álbum Imagine e o The New York Times publicava os Pentagon Papers.

Enquanto as grandes potências mundiais continuavam a mandar artefactos para o espaço, nascia no número 28 do Largo da Graça, em Lisboa, a loja que viria a dominar o mercado do mobiliário em Portugal. Da fundadora, Catarina Remígio, pouco se sabe — apenas que permaneceu na administração da empresa até outubro de 2014, altura em que as dívidas ditaram o encerramento das lojas e a desembocaram num processo de insolvência.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.