O México registou 807 mortes provocadas por Covid-19 e 5.480 casos da doença nas últimas 24 horas – mais do que os 5.067 de ontem -, informaram as autoridades mexicanas.

Desde o início da pandemia, o país contabilizou 202.633 óbitos e mais de 2,2 milhões de casos confirmados de Covid-19. O total de vítimas fatais pode no entanto ser muito superior, de acordo com um relatório do Governo mexicano, divulgado no domingo, admitindo que a doença pode ter provocado 294.287 mortes entre o início da pandemia e 13 de fevereiro, mais cerca de 100 mil que os óbitos contabilizados.

O México é o terceiro país do mundo com mais mortes devido à Covid-19 em termos absolutos, atrás dos Estados Unidos e Brasil, sendo o 14.º mundial em total de infeções totais, de acordo com a contagem independente da Universidade norte-americana Johns Hopkins.

O país iniciou a campanha de vacinação contra a Covid-19 em 24 de dezembro último, tendo já administrado a primeira dose a 7.404.912 pessoas, com 885.914 pessoas a terem completado a inoculação, informaram as autoridades.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na terça-feira, o México recebeu o 14.º carregamento de vacinas da Pfizer-BioNTech contra a Covid-19, uma entrega de mais 487.500 doses.

Esta quarta-feira, o país espera ainda a chegada de 500.000 doses da vacina russa Sputnik V e de 145.275 da Pfizer-BioNTech, estando prevista para quinta-feira a entrega de 1,2 milhões de doses da AstraZeneca.

Com 126 milhões de habitantes, o México conta com acordos para 34,4 milhões de doses da vacina da norte-americana Pfizer, 79,4 milhões da britânica AstraZeneca, 35 milhões da chinesa CanSino, 24 milhões da russa Sputnik V, 20 milhões de chinesa Sinovac, 12 da também chinesa Sinopharm e 51,4 milhões da plataforma Covax da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.792.586 mortos no mundo, resultantes de mais de 127 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.