Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O regresso dos alunos das creches, pré-escolar e primeiro ciclo ao ensino presencial, a 15 de março, começou agora a produzir efeitos na situação epidemiológica e o primeiro-ministro já admite que a o cenário é mais perigoso do que era em dezembro, já que a variante do SARS-CoV-2 predominante em Portugal, a britânica, tem risco de contágio aumentado. “Obviamente estamos preocupados”, admitiu António Costa sobre o nível de transmissão no meio escolar nesta altura, admitindo alargar vigilância à volta de cada caso identificado nas escolas.

A análise de Costa surgiu após uma reunião com os presidentes das câmaras onde há mais de 240 casos, nos últimos 14 dias, por cem mil habitantes, com o Governo a prometer aumentar vigilância, embora ainda diga que se tratam sobretudo de situações muito localizadas e que a intervenção deve ser também muito localizada. Já nas escolas quer continuar a agir só no plano nacional e não local, mas há dados preocupantes.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.