Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A 5ª edição do Festival Dias da Dança (DDD) regressa no próximo dia 20 de abril com um total de 22 espetáculos e um projeto expositivo, 16 dos quais em estreia absoluta ou nacional. Das 11 coproduções, seis são de artistas que trabalham a partir da região e o programa divide-se entre o formato digital e o palco de salas de espetáculos nas cidades do Porto, Vila Nova de Gaia, Matosinhos e, pela primeira vez, Viana do Castelo.

O programa arranca no dia 20 de abril com a estreia absoluta de “Bate-Fado”, da dupla de artistas portugueses Jonas & Lander, agendada para as 19h, no Grande Auditório do Teatro Rivoli (e online, de 23 a 25 de abril). No mesmo dia, pelas 22h, “Room with a View” será o primeiro espetáculo a ser transmitido na sala virtual do DDD e uma das estreias nacionais desta edição do festival. A peça é uma criação do coletivo francês (LA) Horde e de DJ Rone com o Ballet national de Marseille, será exibida online, gratuitamente, no site e no Facebook do festival.

A iniciativa encerra no dia 30 de abril com duas estreias: a apresentação ao vivo de “SIRI”, de Jorge Jácome e Marco da Silva Ferreira, às 19h, no Teatro Campo Alegre (e online, a partir das 22h); e a exibição online no Facebook e no site do festival, pelas 21h30, de North Korea Dance, da coreógrafa sul-coreana Eun-Me Ahn, que volta ao festival depois de, em 2017, ter apresentado o espetáculo “Dancing Grandmothers”, no Rivoli.

No que toca ao panorama nacional, a organização do festival adianta em comunicado que a intenção passa pela partilha das criações de várias gerações de coreógrafos portugueses. No programa fazem parte nomes sonantes como Victor Hugo Pontes, João Fiadeiro e Carolina Campos, São Castro e António M Cabrita, Sara Anjo e Teresa Silva, Miguel Pereira e Cláudia Dias que apresentam as suas criações mais recentes, mas também artistas como Catarina Miranda, Ana Isabel Castro (Jovem Artista Associada do Teatro Municipal do Porto), Luísa Saraiva, Renan Martins que dão a conhecer quatro de seis obras em estreia absoluta nesta edição.

CABRAQIMERA é um projeto criado em diálogo com a exposição POROMECHANICS, de Catarina Miranda

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Relativamente à oferta no espaço público, serão exibidas online seis peças que foram filmadas em diferentes cidades, de artistas como Joana Castro, Ricardo Pereira Carvalho, Isabel Barros com Cláudia Marisa, Max Oliveira e Pedro Carvalho, e as duplas Ana Renata Polónia e Marta Ramos, Andreia Fraga e João Oliveira, Sara Marasso e Stefano Risso.

O Dia Mundial da Dança, 29 de abril, será assinalado com dois espetáculos ao vivo, a estreia absoluta de “Viaduto”, às 19h, no Auditório Municipal de Gaia, — um projeto do coreógrafo e performer brasileiro a residir no Porto, Renan Martins, com música de Frankão — e a apresentação de “Os Três Irmãos”, de Victor Hugo Pontes, um trabalho que nasce da colaboração entre o coreógrafo e o escritor Gonçalo M. Tavares, tanto no Teatro Municipal Sá de Miranda, em Viana do Castelo, e, três dias antes, no Teatro Rivoli, no Porto.

“Tendo em conta os constrangimentos provocados pela pandemia, o programa internacional desta edição do DDD viverá maioritariamente online”, adianta a organização em comunicado, destacando, neste contexto, dois espetáculos internacionais: “(B)reaching Stillness”, de 21 a 23 de abril, da coreógrafa helvética Lea Moro, e “L’affadissement du merveilleux”, de 22 a 24 de abril, da canadiana Catherine Gaudet. Já o encenador português Tiago Rodrigues, em colaboração com as coreógrafas Mathilde Monnier, La Ribot, apresentará a peça “Please Please Please”, dias 22 e 23 de abril no palco do Teatro Carlos Alberto, no Porto.

Uma das novidades desta edição é o projeto expositivo que se divide entre a mostra “Para uma Timeline a Haver”, que pode ser vista de 22 de abril a 11 de julho em Serralves, a “Poromechanics”, uma instalação onde Catarina Miranda mostra uma coleção de vídeo-retratos de diferentes artistas, que pode ser vista de 20 a 30 de abril, gratuitamente, no site do festival.

Mas nem só de espetáculos vive o programa do DDD, que inclui ainda, em formato online, conversas, residências artísticas com coreógrafo interpretes, três masterclasses e uma festa de abertura e outra de encerramento com direito a música.

Os preços dos bilhetes variam entre os 3,50€ (espetáculos online) e os 9 € (espetáculos presenciais).