Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Dizer que a história é macabra talvez seja pouco. Durante mais de 30 quilómetros, um homem conduziu um automóvel em contra-mão na chamada Autoestrada do Mediterrâneo, a AP-7, em Espanha. Quando foi intercetado pela unidade policial da Catalunha Mossos d’Esquadra, as autoridades perceberam que viajava com um cadáver no banco do “pendura”.

A história, cujos factos ocorreram esta quinta-feira, é contada pelo jornal espanhol El Confidencial, que vinca que o corpo encontrado era de “idade avançada”, “não apresentava sinais de violência” e não se observavam “indícios de crime”. Quanto ao condutor, tratava-se de um cidadão russo residente em Espanha, com 66 anos.

A polícia catalã começou por ser alertada apenas pelo delito rodoviário do condutor do veículo. Às 12h locais, as autoridades foram informadas de que um automóvel circulava em contra-mão na AP-7. O condutor terá ignorado os pedidos da polícia para parar e acabou por ter um acidente perto de Jafre, em Girona.

Apesar do corpo que estava no banco do “pendura” não ter indícios de existência de um crime, foi aberta uma investigação para apurar o que explicava a presença do cadáver no automóvel — ao lado do condutor.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR