O diretor clínico do serviço regional de saúde da Madeira, Júlio Nóbrega, avisa que algumas pessoas recuperadas da Covid-19, recebendo por isso alta das unidades de cuidados intensivos, são readmitidas e acabam por morrer à conta das sequelas deixadas pela doença.

Segundo as observações do médico, a maioria dos casos ocorre entre os doentes mais velhos e dizem respeito a mazelas deixadas pela Covid-19 no sistema respiratório, principalmente nos pulmões. É um fenómeno que já é conhecido da comunidade médica e que tem sido relatado desde o início da pandemia.

Júlio Nóbrega, que falava à RTP, acrescentou que estão a ser investigados os casos de 180 pessoas que, após terem sido vacinadas contra a Covid-19, foram infetadas pelo coronavírus. Destes casos, 161 ocorreram após a primeira dose e 19 ocorreram após a segunda inoculação.

Os médicos estão a apurar quanto tempo de intervalo houve entre a toma da dose e o teste positivo. “O que é preocupante”, justifica o clínico, “é que, destes 19 [infetados] após a segunda inoculação, 10 doentes testaram positivo num intervalo superior àquele que nós achamos necessário para adquirir imunidade” — oito dias após a inoculação.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Casos destes são plausíveis e foram assinalados nos ensaios clínicos. As vacinas têm como objetivo evitar os quadros clínicos mais graves da Covid-19, provocando menos hospitalizações e uma menor letalidade. Uma pessoa vacinada contra a Covid-19 pode ser infetada à mesma, mas não deverá desenvolver a doença ou, se o fizer, não terá sintomas graves. Por isso é que, tal como o diretor clínico madeirense também explicou à RTP, nenhum destes 180 casos desenvolveu uma forma grave de Covid-19. Além disso, nenhuma vacina é 100% eficaz — como não o é nenhum medicamento.

Algumas pessoas vacinadas contra a Covid-19 não ficarão realmente imunes e por isso podem ficar doentes à mesma se entrarem em contacto com o SARS-CoV-2. Foi o que aconteceu com Alberto Fernández, presidente da Argentina. No entanto, a eficácia das vacinas distribuídas neste momento é muito alta: em algumas delas ultrapassa mesmo os 90%.