Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quais eram as canções de vida de Carlos do Carmo, aquelas que o maravilhavam e que, em muitos casos, o acompanharam ao longo de anos e décadas até ao fim da vida? Em dezembro do ano passado o fadista fez uma seleção de mais de 20 temas da sua predileção. O nome das canções foi anotado à mão por um familiar, poucas semanas antes de Carlos do Carmo morrer, a 1 de janeiro deste ano. Esta sexta-feira, dia em que sai o último disco que gravou (E Ainda…), o Observador revela em exclusivo a playlist.

Na última lista de “canções de vida” que Carlos do Carmo deixou feita é possível ficar a conhecer melhor o seu gosto musical e decifrar um Carlos do Carmo ouvinte não apenas de fado, eclético no gosto como sempre reivindicou ser.

A playlist inclui canções francófonas como “Le valse à mille temps” de Jacques Brel e “Padam Padam” de Édith Piaf, temas do catalão Joan Manuel Serrat e do tenor italiano Luciano Pavarotti e cantigas anglófonas como “Englishman in New York” de Sting, “All You Need Is Love” dos The Beatles e “Another Brick in the Wall” dos Pink Floyd.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O jazz, a soul e o classicismo crooner estão muito presentes: a cantora Ella Fitzgerald aparece por duas vezes — com “Night and Day” mas também com o dueto com Louis Armstrong “Summertime” — e Tony Bennett também, com “The Shadow Of Your Smile” e, esta em dueto com Amy Winehouse, “Body and Soul”. Mas também figuram nesta playlist temas de Ray Charles, Astor Piazzolla e por duas vezes do inevitável Frank Sinatra (uma das suas grandes referências no canto).

Carlos do Carmo (1939-2021): o nome dele era fado

A música lusófona tem também lugar de destaque nesta playlist: entre as canções que o acompanharam até ao fim, Carlos do Carmo elegeu “Lapinha” de Elis Regina, “A Gente Merece Ser Feliz” de Ivan Lins e “Construção” de Chico Buarque, entre outras. E escolheu ainda duas canções que só não figuram nesta playlist por não constarem do catálogo musical da plataforma Spotify: “Menino do Bairro Negro” de José Afonso (ouvir aqui) e a morna caboverdiana “Galo Bedjo” cantada por Tito Paris.

A playlist é revelada no dia de lançamento do último álbum gravado por Carlos do Carmo, editado agora postumamente. Intitulado E Ainda…, o disco foi gravado por Carlos do Carmo (voz) e pelo seu trio de músicos: José Manuel Neto na guitarra portuguesa, Carlos Manuel Proença na viola de fado e José Marino Freitas no baixo acústico.

Neste seu último álbum, Carlos do Carmo deixou cantados sete temas, a que acrescem uma introdução instrumental e um fecho com duas frases de Mia Couto ditas pelo fadista: “Cantar, dizem, é um afastamento da morte. A voz suspende o passo da morte e em volta tudo se torna pegada da vida”.

Os temas cantados do disco são “Mariquinhas.com”, com música de Paulo de Carvalho e uma letra marota e cheia de ironia de Vasco Graça Moura; “Sombra”, com letra de Hélia Correia e uma melodia tradicional (fado menor do Porto) pouco tocada e cantada; “Canção de Vida”, tema há muito prometido por Jorge Palma; “Poemas Canhotos”, com poema de Herberto Helder e música de António Vitorino d’Almeida; “Bem-Disposto Então Vá”, uma composição musical original de Paulo de Carvalho e lírica de Júlio Pomar; “Jogo do Lenço” (palavras de José Saramago, música de fado puxavante de Joaquim Campos); e “Canção”, com poema de Sophia de Mello Breyner e música de Mário Pacheco.

Músicos e filho contam na primeira pessoa como foram as últimas gravações de Carlos do Carmo. “Estávamos a lutar contra o tempo”