Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Com os ID.3 e ID.4 já no mercado e os equivalentes modelos da Audi, Cupra e Skoda a caminho, todos eles concebidos sobre a plataforma MEB e produzidos na fábrica alemã de Zwickau, a Volkswagen necessitou de incrementar a sua produção de baterias, para a nivelar pelo número de veículos que pretende lançar no mercado. Daí que anuncie o arranque de uma segunda linha de montagem de baterias na sua fábrica de Braunschweig, cerca de 300 km a norte de Zwickau.

De acordo com o grupo alemão, Braunschweig passará assim a ser capaz de gerar 500.000 packs com capacidades de 45, 52 e 77 kWh, para os modelos com base na MEB. A estes juntam-se 100.000 baterias de menor capacidade para os híbridos plug-in do grupo, cuja produção hoje não supera as 50.000 unidades.

O incremento da capacidade de produção foi resultado de um investimento de 300 milhões de euros, para acomodar a segunda linha de produção com grande percentagem de automatização. Isto porque a construção dos packs recorre a soldadura em contínuo de alumínio e colagem, consoante o caso.

Contudo, o Grupo VW continua apenas a produzir packs de baterias e não células, que é onde reside a tecnologia que pode fazer a diferença em matéria de eficiência, custos e autonomia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR