Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) reafirmou esta segunda-feira que o risco de transmissão do vírus SARS-COV-2 através de superfícies é baixo. O risco de transmissão, concluiu o mesmo estudo, é mais elevado por via aérea.

Numa entrevista promovida pelo CDC, o chefe da Divisão de Prevenção de Doenças Transmitidas pela Água, citado pela CNN, explicou que o risco de transmissão ao tocar numa superfície, embora pequeno, só é elevado em ambientes fechados. Ao ar livre, o sol e outros fatores podem destruir os vírus mais facilmente. Vincent Hill afirmou ainda que o vírus morre “rapidamente” em superfícies moles, mas pode persistir por mais tempo em superfícies sólidas e que estejam num espaço interior.

O estudo também sugeriu que a transmissão nas superfícies é mais provável se tiver havido contacto nas últimas 24 horas com uma pessoa infetada com o vírus. Foi verificado que, nas casas onde tinha estado um doente com Covid-19 e que tinham sido limpas e as superfícies desinfectadas, a taxa de transmissão era mais baixa.

Com base neste estudo, o CDC atualizou as orientações para limpeza e desinfeção em ambientes comuns, clarificando que “na maioria das situações, limpar as superfícies com sabão ou detergente, sem necessidade de desinfetar, é suficiente para reduzir o já baixo risco de transmissão do vírus pelas superfícies”. A limpeza deve concentrar-se em áreas de alto contacto, como, por exemplo, maçanetas e interruptores de luz.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR