Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Durante os primeiros três meses de 2021, a Porsche comercializou 71.986 veículos, um incremento de 36% face ao ano anterior, crescimento este que terá satisfeito a administração do Grupo Volkswagen. O sucesso é maioritariamente devido ao mercado chinês, onde o construtor cresceu 56% (21.991 unidades), uma vez que nos EUA a procura aumentou 45% (17.368), enquanto a Europa se ficou apenas pelos 16% (19.389).

A principal surpresa veio do facto de o novo Taycan, o primeiro eléctrico da marca, ter praticamente igualado o modelo mais famoso da Porsche, o 911. O desportivo que fez a imagem do construtor alemão colocou no mercado um total de 9133 unidades, entre Janeiro e Março deste ano, ligeiramente acima dos 9072 Taycan entregues a clientes.

Contudo, a Porsche continua a ser, cada vez mais, um fabricante de SUV, volumosos e pesados, em vez de um construtor de desportivos, esguios e agressivos. O modelo mais vendido foi de novo o Macan, com 22.458 unidades, seguido do Cayenne (19.533). Os 718 Boxster e Cayman somaram 6190 veículos, enquanto o Panamera foi quem menos vendeu, colocando no mercado apenas 5600 novos modelos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR