Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Augusto Santos Silva não descarta a ligação de alta velocidade entre Lisboa e Madrid, mas deixa claro que há dois projetos com primazia. “Nós temos, neste momento, duas prioridades essenciais do ponto de vista da ferrovia: a primeira é encurtar a distância, em tempo, entre Porto e Lisboa — usar a linha de alta velocidade para aproximar mais as duas áreas metropolitanas — e a segunda é prolongar essa linha até à Galiza”, disse Augusto Santos Silva à EFE, a agência de notícias espanhola.

“Precisamos de olhar para a rede de alta velocidade na Península Ibérica do ponto de vista do interesse dos dois países e devemos compreender que o interesse de Portugal não é apenas ter uma ligação à Europa através de Madrid — o interesse de Portugal é ter ligações em alta velocidade ferroviária no plural, várias ligações”, referiu o ministro dos Negócios Estrangeiros, que disse haver ainda “outras prioridades” que estão a ser trabalhadas pelos ministros dos Transportes de Portugal e Espanha.

Há pouco mais de três meses, no entanto, Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, tinha garantido que a ligação para a capital espanhola estava na lista de prioridades do Governo, indicando mesmo uma data para a sua conclusão. “A ligação entre Lisboa e Madrid está já, na realidade, a ser construída, está já em execução”, disse Pedro Nuno Santos na Comissão de Transportes e Turismo, a 26 de janeiro. “Nós prevemos, até ao final de dezembro de 2023, termos uma ligação entre Lisboa e Madrid em alta velocidade”.

O ministro sublinhou, em todo o caso, que há vários projetos ferroviários no topo das preocupações do executivo. “Há mais país para além das capitais e, por isso, a ligação Lisboa-Madrid não é a única prioridade do Governo português”, garantiu o ministro, citado pela RTP.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O que não nos podemos esquecer em nenhum momento é que, quando estamos a fazer novas linhas de alta velocidade, a par da nova ligação entre as capitais, temos também de ligar o nosso território”, sublinhou Pedro Nuno Santos. E, por isso, “a ligação entre Lisboa e Porto é prioritária para o Governo português e para Portugal”.

Uns meses antes, em outubro, também Ana Abrunhosa, ministra da Coesão Territorial, tinha apontado a ligação entre Lisboa-Porto-Vigo como a prioridade portuguesa para a rede ibérica de alta velocidade, avisando mesmo Espanha que o Governo português não aceitaria uma “solução imposta”.

“A nossa prioridade não é a ligação entre Madrid e Lisboa, porque de Madrid para Lisboa vamos de avião, já temos ligação. A nossa prioridade, certamente, é o eixo atlântico, Lisboa, Porto e Vigo”, disse então a ministra.

O projeto em causa é discutido em Portugal há várias décadas e foi suspenso em 2011, numa altura em que o país foi resgatado pela troika.

Portugal quer alta velocidade atlântica e recusa “solução imposta” por Espanha