Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Primeiro, o recorde da maior série de jogos consecutivos do clube sem derrotas no Campeonato na mesma época: 27. Na viagem ao Algarve para defrontar o Farense, após aquela que foi a pior fase no Campeonato (se é que se pode caracterizar assim porque teve apenas dois empates seguidos…), o Sporting ganhou pela margem mínima com um golo de Pedro Gonçalves e superou o registo da temporada de 2001/02, quando Mário Jardel e companhia fizeram 18 vitórias e oito empates da oitava até à 34.ª jornada para assegurarem o título de campeão.

Paulinho escavou, procurou e encontrou, tal qual Indiana Jones que descobre um tesouro (a crónica do Rio Ave-Sporting)

Depois, o recorde da maior série de jogos consecutivos do clube sem derrotas no Campeonato mesmo em épocas diferentes: 30. Na receção ao Nacional, que podia confirmar o deslize do FC Porto com o Moreirense, o Sporting venceu com dois golos na parte final do encontro por Feddal e Jovane Cabral e superou a marca de 29 partidas entre 23 vitórias e seis empates entre as temporadas de 1969/70 e 1970/71 com Fernando Vaz no comando da formação verde e branca, começando com uma vitória frente à CUF depois de um desaire por 3-0 em Coimbra e acabando na época seguinte quando os leões perderam em casa com o Barreirense por 1-0 na 14.ª jornada.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Agora, o recorde da maior série de jogos consecutivos de qualquer equipa no Campeonato na mesma época: 31. Na deslocação a Vila do Conde para defrontar o Rio Ave, o Sporting somou a 24.ª vitória na prova além de sete empates e superou os quatro anteriores registos de 30 encontros divididos entre Benfica e FC Porto em edições que tiveram apenas 16 equipas: o do Benfica de Jimmy Hagan, que foi campeão em 1972/73 com 28 vitórias e dois empates, com um total de 101-13 em golos; o do Benfica de John Mortimore em 1977/78, que ficou na segunda posição com os mesmos pontos do FC Porto e que somou 21 vitórias e nove empates; a do FC Porto de André Villas-Boas em 2010/11, campeão com 27 vitórias e três empates; e a do FC Porto de Vítor Pereira (que era antes adjunto) em 2012/13, campeão com mais um ponto do que o Benfica tendo 24 vitórias e seis empates.

Entre recorde e recorde, o Sporting encontra-se agora a quatro pontos de quebrar aquele que é o maior jejum de sempre da sua história, um ano a mais da travessia sem títulos entre 1982 e 2000. E até podem ser menos, caso o FC Porto não vença o Benfica no clássico desta quinta-feira. No limite, os leões poderão até ser campeões na próxima jornada caso os dragões empatem na Luz e vençam depois o Boavista ou, num cenário ainda mais vantajoso, se os dragões perderem na Luz e empatem diante dos axadrezados em Alvalade. Para já, existe uma certeza: o conjunto lisboeta está de regresso à fase de grupos da Liga dos Campeões quatro anos depois.

Em paralelo, há ainda mais um registo que continua em aberto até ao final da época: após mais um jogo sem sofrer golos, o Sporting continua com apenas 15 golos consentidos em 31 jornadas, numa média que permitiria bater o recorde da melhor defesa de sempre do clube do Campeonato que pertencer ainda ao conjunto de Paulo Bento em 2006/07, quando o quinteto Ricardo-Abel-Tonel-Polga-Caneira acabou a prova com 15 golos sofridos em 30 encontros. Fora, o conjunto verde e branco sofreu apenas seis golos esta época em 16 encontros.

Por último, um outro ponto que poderá ainda ser discutido nas últimas jornadas: com a vitória em Vila do Conde frente ao Rio Ave por 2-0 com golos de Pedro Gonçalves e Paulinho, o Sporting passa a somar 79 pontos, a sete daquele que é o maior registo de sempre em Campeonatos com 18 equipas que foi conseguido por Jorge Jesus na primeira temporada em Alvalade, em 2015/16, quando acabou com 86 pontos… menos dois do que o Benfica.