O Diário de Notícias da Madeira teve 40% de quebras nas receitas devido à Covid-19, disse esta quinta-feira o seu administrador, sublinhando que isso não impediu a empresa de continuar a investir ao serviço dos seus leitores.

A pandemia teve um reflexo muito grande nas nossas receitas, baixámos mais de 40% as nossas receitas. Não podemos esquecer que, vivendo de publicidade, de assinaturas e de vendas em banca, com estas fechadas, nós partimos quase para uma faturação de zero de um mês para outro nestas áreas. Perdemos cerca de um milhão de euros”, revelou Roberto Passos.

O representante da Administração do Diário de Notícias da Madeira, Roberto Passos, e o diretor editorial, Ricardo Oliveira foram esta quinta-feira ouvidos na Comissão Especializada Permanente de Política Geral e Juventude da Assembleia Legislativa, a pedido do PSD, sobre os “apoios à comunicação social privada”.

Roberto Passos salientou que, apesar dessa dificuldade, a empresa “não fez nenhum lay-off, lançou um Diário Covid digital, lançou debates diários no Facebook, eventos digitais até comédia, webinares, passatempos e até foi ao ponto de a empresa de distribuição entregar produtos ao domicílio”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quanto ao Programa de Apoio à Comunicação Social Privada (MediaRAM), criado pelo Governo Regional no âmbito do qual a empresa recebe anualmente 300 mil euros para apoio à produção e manutenção do emprego, o administrador disse ser “essencial para o equilíbrio” do Diário de Notícias da Madeira, porém, “curto”. “Nós temos vindo a cumprir as regras e até temos contratado mais pessoas“, acrescentou.

Por seu lado, o diretor editorial, Ricardo Oliveira, considerou também positiva a criação do MediaRAM porque trouxe regulação ao mercado, que devia ser reforçado em termos financeiros.

Ricardo Oliveira lembrou que, durante 19 anos, nos governos de Alberto João Jardim, o antigo Jornal da Madeira, detido pelo Governo Regional em 99%, recebeu mais de 50 milhões de euros em apoios do erário público.