Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

À beira do intervalo, os números de Uribe não eram comparáveis com ninguém: liderava em passes para finalização, com dois; em passes certos, com 17; em passes longos certos, com quatro em quatro; em dribles eficazes, com três em três; e ainda em recuperações de posse, com quatro. Na segunda parte, o médio colombiano prolongou a enorme exibição e ainda alcançou o golo que, na altura, empatou a partida e relançou o Clássico.

O primeiro jogo em 5G foi decidido pelo VAR e “deu” o título ao Sporting (a crónica do Benfica-FC Porto)

O FC Porto não conseguiu bater o Benfica na Luz, permitindo que o Sporting dependa apenas de si próprio para ser campeão nacional na próxima jornada, mas Uribe mostrou novamente que é o jogador que maior equilíbrio oferece aos dragões, entre o acerto defensivo e a influência ofensiva. O médio é o eixo que controla e gere toda a construção da equipa de Sérgio Conceição e pareceu estar em todo o lado, com dobras nas alas quando os laterais subiam ou apoios interiores quando Otávio e Díaz davam mais largura nos corredores.

Uribe voltou a marcar num Clássico, já que já o tinha feito em Alvalade contra o Sporting, e chegou aos cinco golos esta temporada — sendo que, em 2019/20, fez apenas um. Um número que não deixa de mostrar que o médio colombiano tem estado a corresponder ao desafio que Sérgio Conceição lhe lançou ainda no início da época, quando garantiu que Uribe teria este ano mais espaço para explorar os atributos ofensivos. No final da partida, o jogador do FC Porto reconheceu que este foi “um jogo complicado”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Sabíamos que íamos enfrentar um grande rival na sua casa. A equipa mostrou domínio de jogo. Tivemos a maior parte da partida, tivemos mais ataques. Arriscámos um pouco. Continuamos até ao final, temos três jogos importantes até ao final. Temos a mentalidade de ir jogo a jogo, temos muitos pontos para disputar, temos de colocar a cabeça para cima para terminar da melhor maneira. Quanto ao Campeonato, acreditamos sempre. Com o trabalho que temos no clube que representamos e com a qualidade dos jogadores que temos, temos sempre de acreditar”, disse Uribe na flash interview da BTV.

O médio colombiano, que chegou ao Dragão na sequência da saída de Herrera para o Atl. Madrid, assumiu de imediato a titularidade e foi sempre uma aposta firma de Sérgio Conceição na zona do meio-campo com Danilo e Sérgio Oliveira. Esta época, na sequência da ida do primeiro para o PSG, Uribe tem encaixado na perfeição com o internacional português e é o apoio certo para Corona e Otávio, funcionando muitas vezes como o primeiro elemento à entrada da grande área em lances de ataque. Aos 30 anos, o colombiano afigura-se como um jogador de futuro para o FC Porto, oferecendo experiência misturada com o ritmo sul-americano.