O desastre eleitoral do PSOE e a vitória esmagadora do Partido Popular (PP) em Madrid já teve a primeira consequência para o partido de Pedro Sánchez. Esta quinta-feira, noticia o El Mundo, a líder dos socialistas na Andaluzia, Susana Díaz, confirmou que vai disputar eleições primárias com Juan Espadas, o alcaide de Sevilha.

A pressão para que se realizassem primárias antecipadas no PSOE da Andaluzia já se faziam sentir há alguns meses, sobretudo desde que Isabel Díaz Ayuso rompeu a coligação com o Ciudadanos na capital espanhola e convocou eleições, cujo desfecho foi um reforço do seu poder.

Temendo que o PP — que governa a Andaluzia com o Ciudadanos, contando ainda com o apoio parlamentar Vox — fizesse uma jogada semelhante à que fez em Madrid, a pressão aumentou no PSOE para que houvesse clarificação no partido na Andaluzia, de forma a evitar surpresas.

PP e Ciudadanos chegam a acordo com Vox para formar governo na Andaluzia

A vitória do PP em Madrid, com impacto a nível nacional, ao dar pujança aos conservadores para intensificarem a oposição ao governo, fez soar os alarmes, e Juan Espadas aproveitou para anunciar que pretende concorrer às eleições primárias, disputando a liderança de Susana Díaz.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Com o alcaide de Sevilha a contar com o apoio de Pedro Sánchez e da cúpula do PSOE a nível nacional, a secretária-geral dos socialistas na Andaluzia ficou com poucas opções e esta quinta-feira antecipou-se a uma decisão forçada vinda de cima e anunciou que fez um pedido à Comissão Executiva Regional para que sejam convocadas eleições primárias para a liderança do partido. Como era esperado, Díaz disse que quer continuar a liderar o partido na Andaluzia e está pronto para disputar o cargo com Juan Espadas, o alcaide de Sevilha.

Como os heroísmos que se defrontaram em Madrid podem dar a volta à política espanhola

Em conferência de imprensa, ao anunciar a sua decisão, Susana Díaz pediu umas eleições primárias “sem empurrões”, e deixou críticas a membros do seu próprio partido, criticando o “ruído interno” que se tem feito sentir na região autonómica.

De acordo com o La Vanguardia, o plano de Susana Díaz seria esperar até final deste ano para que as primárias fossem convocadas. No entanto, a secretária-geral do PSOE andaluz viu-se obrigada a antecipar a disputa interna no partido, sendo que, caso não o fizesse, as primárias poderiam mesmo ser impostas contra a sua vontade, devido a um mecanismo previsto nos estatutos do partido, que seria solicitado pela Comissão Executiva Regional.

Eleições em Madrid: os vencedores, os vencidos e o “nim”

Quanto a Juan Espadas, garantiu estar pronto para criar um “grande projeto regional” e acredita ter condições para chefiar o partido na Andaluzia. Nos próximos dias, outros nomes podem entrar na corrida. Segundo o El Mundo, as eleições internas é expectável que as eleições internas se realizem em junho.

Já as eleições autonómicas na Andaluzia, estão previstas para dezembro de 2022. O líder do governo regional Juanma Moreno tem dito que não pensa romper com o Ciudadanos e convocar eleições antecipadas, no entanto, perante o bom resultado do PP em Madrid, o descalabro no Ciudadanos e a queda no PSOE, todos os cenários parecem estar em cima da mesa, com os conservadores a quererem capitalizar ao máximo a onda de otimismo criada por Isabel Díaz Ayuso.

Isabel Ayuso. Como em dois anos uma desconhecida se transformou na estrela da direita espanhola