A Alemanha quer acelerar a vacinação contra a Covid-19 e compensar o avanço lento que tem tido a campanha de imunização. Para isso, o governo alemão acordou com os diferentes estados que deixaria de existir restrições de idades para a vacina da AstraZeneca e que a segunda dose seria antecipada, noticia a DW.

Assim, na Alemanha, a vacina da AstraZeneca passa a ser dada a todas as pessoas com 18 anos ou mais, tal como é recomendado pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA), e não só a partir dos 60 anos como acontece em vários países, incluindo Portugal.

Agência Europeia do Medicamento assume ligação entre vacina da AstraZeneca e coágulos sanguíneos

Além disso, em vez de manter o período de 12 semanas entre as duas doses da vacina, recomendados pela farmacêutica e pela EMA (e seguido na generalidade dos países), a Alemanha quer que a segunda dose seja dada ao fim de quatro semanas. A estratégia alemã de ter as pessoas completamente vacinadas em pouco tempo contrasta com a do Reino Unido que alargou o período entre as duas doses desta vacina para poder ter mais pessoas vacinadas com, pelo menos, a primeira dose.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Vacinados e recuperados vão ser obrigados a menos restrições

O acordo para acelerar a vacinação, que ainda terá de ser aprovado, chega depois de uma outra proposta que prevê que as pessoas que estejam totalmente vacinadas (com as duas doses da vacina, se for o caso) ou que tenham recuperado da infeção possam ter privilégios especiais, como deixar de cumprir o recolher obrigatório ou ter limitações no contacto com outras pessoas (desde que todos estejam vacinados ou tenham recuperado), escreve a DW.

Além disso, as pessoas vacinadas ou recuperadas vão poder entrar livremente nos locais onde é exigido teste negativo à entrada ou deixar de ser obrigadas a quarentena. O que nem estas pessoas (nem os restantes) podem fazer é: deixar de usar máscara, deixar de cumprir o distanciamento físico ou ir a restaurantes ou hóteis (serviços que continuam fechados).

12 perguntas e respostas sobre o novo certificado para viajar na Europa durante a pandemia

A estratégia agora anunciada também tem como objetivo usar as vacinas da AstraZeneca que existem em stock no país, uma vez que os receios em relação aos efeitos secundários graves — ainda que muito raros — faz com que as pessoas procurem ser imunizadas com outras vacinas, noticia o jornal The New York Times.

Crianças a partir dos 12 anos podem começar a ser vacinadas em agosto

Por enquanto, a Alemanha prevê manter o esquema de prioridades previamente estabelecido: primeiros os idosos, depois os profissionais de saúde e os doentes crónicos, seguidos dos profissionais que contactam com muitas pessoas (como motoristas de autocarros e caixas de supermercado).

Mas a chanceler Angela Merkel espera que, o mais tardar, em junho este esquema de prioridades termine e que as pessoas possam marcar, voluntariamente, quando querem tomar a vacina.

Com o plano de vacinação de adultos a acelerar até ao verão, a Alemanha espera poder começar a vacinar crianças com mais de 12 anos a partir do final de agosto, no início do próximo ano letivo, desde que a EMA aprove uma vacina nestas idades.

Covid-19. Vacinas para menores de 16 anos podem ser aprovadas em breve, mas ainda se discute se são necessárias

O regulador europeu disse que já começou a avaliar o pedido da Pfizer/BioNTech de extensão da vacina para crianças entre os 12 e os 15 anos. Neste momento, esta vacina já pode ser dada a quem tenha 16 anos ou mais — tal como acontece em Portugal, onde jovens com doenças de risco têm tomado esta vacina. O regulador norte-americano (FDA, Food and Drug Administration) também já está a avaliar um pedido semelhante desta farmacêutica e deverá anunciar uma decisão na próxima semana.