Competir numa corrida de todo-o-terreno disputada nas difíceis condições da Baja Califórnia nunca é fácil, especialmente a bordo de um veículo eléctrico, com cerca de duzentos cavalos e apenas tracção traseira. Foi exactamente esta a aposta da VW América, para acompanhar a chegada ao mercado do ID.4.

O modelo escolhido para esta incursão pela competição foi o ID.4 1st Edition, na versão com apenas um motor atrás de 204 cv e uma bateria com uma capacidade de 82 kWh, 77 kWh úteis. Apesar deste ser o maior acumulador disponível para o SUV eléctrico, o que lhe permite anunciar 480 km em estradas normais e a um ritmo civilizado, dificilmente superará os 200 km no deserto mexicano.

9 fotos

O piloto escolhido para esta aventura do ID.4 foi o profissional Tanner Foust, que desta vez tinha à sua disposição praticamente um carro de série. Apenas as suspensões foram alteradas e o chassi reforçado e protegido para estar à altura das pancadas e esforços que encontrou na travessia do deserto, transformação que foi realizada pela equipa Rhys Millen Racing. O youtuber Jamie Orr recorda pormenores da competição:

Este especialista em carros de competição eléctricos aumentou a altura ao solo, montou molas e amortecedores compatíveis com o tipo de piso, jantes aptas a aguentar todo o tipo de maus tratos e pneus para terra, capazes de incrementar a tracção – mais delicada por o VW ter apenas tracção ao eixo posterior – e proteger-se dos furos. O fabricante da suspensão, a Flatout Suspension, mostra aqui o ID.4 em acção:

A dureza da prova fica patente pelo facto de apenas 64 dos 90 concorrentes à partida terem terminado. A tarefa do VW eléctrico ficou mais facilitada por as classificativas serem pequenas, com uma extensão entre 53 e 269 km para um total de 1352 km.

Como os postos de carga não são frequentes no deserto, a VW transportou no veículo de assistência um gerador de 50 kW a biocombustível, destinado a repor a carga da bateria. Nas ocasiões em que o gerador não conseguiu chegar a tempo ao local acordado para a recarga, a equipa optou por rebocar o ID.4 em estrada, por um dos camiões de assistência, para aproveitar a travagem regenerativa para recarregar o acumulador. Se o ID.4 não venceu, a realidade é que chegar ao fim pode ser considerado desde logo uma vitória.