O primeiro-ministro, António Costa, manifestou esta terça-feira o apoio do Governo português ao processo de “consolidação democrática” e às reformas económicas e sociais em curso na Tunísia, afirmando-se empenhado no reforço das relações bilaterais.

Esta posição foi transmitida por António Costa na sua conta oficial na rede social Twitter, depois de ter recebido em São Bento, em Lisboa, o primeiro-ministro da Tunísia, Hichem Mechichi.

“Recebi esta terça-feira o primeiro-ministro da Tunísia, Hichem Mechichi, a quem transmiti o apoio de Portugal à consolidação democrática e às reformas económicas e sociais, além do nosso empenho no reforço das relações bilaterais, sobretudo na vertente económica”, escreveu o líder do executivo português.

Em novembro de 2017, António Costa fez uma visita oficial de dois dias à Tunísia, onde transmitiu mensagens sobre o empenhamento de Portugal na prevenção e combate ao terrorismo. No final da 4ª Cimeira Luso-Tunisina, em Tunes, o primeiro-ministro manifestou um claro apoio ao processo de consolidação democrática da Tunísia, país do Magreb que considerou exemplar no mundo árabe.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Não somos só bons vizinhos da Tunísia. Somos, em cada dia que passa, amigos mais fortes da Tunísia. Este país simboliza de uma forma especial o sucesso da transição democrática no mundo árabe. Estou certo de que estes passos dados nesta cimeira contribuirão para consolidar o processo de transição democrática [na Tunísia] e para reforçar as relações entre os dois países”, declarou o primeiro-ministro português.

A Tunísia sofreu três ataques terroristas em 2015: No Museu Bardo, onde morreram 22 pessoas; num hotel à beira praia, que resultou em 38 mortos; e no centro da capital a um autocarro que transportavam guardas presidenciais, que causou 12 mortos.